Quando vamos ao outro lado do mundo, ainda mais a um país explorado pelo turismo de massa como a Tailândia, e com uma cultura bastante peculiar, temos que ter cautela. Aqui vão algumas dicas pra não desrespeitar costumes locais e não cair em roubadas comuns entre ocidentais desavisados.

LEIA TAMBÉM: Miniguia de Koh Phangan, a ilha da Full Moon Party
Melhor época pra ir a Tailândia e outros países do Sudeste Asiático
O que fazer em Chiang Mai, a segunda maior cidade da Tailândia

O que NÃO fazer na Tailândia:

1 – Não aprender nem uma palavrinha em tailandês

Sim, a língua é ininteligível. Mas não custa nada decorar “obrigada” (kop kun ka pra mulheres e kop kun krap pra homens) e “olá” (sawadee ka pra mulheres e sawadee krap pra homens). Continue lendo pra saber mais o que não fazer na Tailândia.

2 – Andar de elefante

Simplesmente porque é uma das atrações mais cruéis com os animais no mundo. Eles são tirados das mães cedo, passam por treinamentos torturantes e sofrem de maus tratos e alojamentos inapropriados. No mais, apesar de serem usados na região há séculos, não são animais domésticos e não devem ser usados pra showzinhos ou qualquer tipo de interação forçada. Mas há lugares pra visitar os bichões, santuários que os respeitam e cuidam daqueles resgatados do turismo ou de madeireiras. SAIBA ONDE VER ELEFANTES COM MENOS CRUELDADE NESSE POST

3 – Botar o pé em cima das coisas e entrar de sapato nos lugares

Os pés são a parte mais “impura” do corpo em algumas linhas do budismo e do hinduísmo, e colocá-los em cima de cadeiras e mesas é considerado extremamente mal educado (eu fiz isso no banco do ônibus e um cara me chamou a atenção). Sapatos devem ser tirados pra entrar nos templos e em algumas lojas, restaurantes e hotéis (é comum que tenha um lugar pra você deixá-los nas portas).

4 – Cair no golpe do “esse lugar está fechado”

Típico em Bangkok e Chiang Mai, esse golpe é dado por sujeitos que ficam na entrada dos pontos turísticos e te abordam dizendo que o lugar está fechado (aconteceu comigo). Eles fazem isso pra tentar te vender tours de tuk-tuks caros e que passam em lojas e restaurantes “parceiros” pra semi te obrigar a comprar coisas. Não caia nesse papo.

5 – Pegar tuk-tuks em Bangkok e andar com táxi que não quer ligar o taxímetro

Parece superlegal, mas andar de tuk-tuk em Bangkok é a maior furada: os caras cobram muito mais do que os táxis e às vezes dão voltas desnecessárias e não te deixam onde você quer ir. Sempre prefira os táxis, e só aqueles que aceitarem ligar o taxímetro (através do qual o preço é superbaixo). Evite pegá-los na porta de atrações turísticas ou perto da Khao San Road, onde eles quase sempre vão tentar te passar a perna. VEJA AQUI 21 PROGRAMAS IMPERDÍVEIS EM BANGKOK

6 – Comer pizza, macarrão e hambúrguer

Sendo um país com exploração turística predatória, a Tailândia é cheia de restaurantes pra ocidentais oferecendo os itens acima com ingredientes e preparação de qualidade duvidosa, já que os tailandeses, no geral, não os consomem. Só restaurantes mais sofisticados, principalmente em Bangkok, servem comida ocidental boa de verdade. E, convenhamos, já que você está lá, conheça a riquíssima gastronomia local nos restaurantes tailandeses. VEJA COMO É COMIDA NO SUDESTE ASIÁTICO AQUI

7 – Ficar irritado com o inglês ruim dos tailandeses (ou levantar a voz com um tailandês)

O inglês deles pode ser difícil de entender, mas eles são um povo gentil e solícito (cuja economia depende muito do turismo) e vão tentar te ajudar com o que for preciso. Fale devagar e seja educado. Levantar a voz e se exaltar em público não é bem visto por eles. Continue lendo pra saber o que não fazer na Tailândia.

8 – Andar de scooter sem capacete

Scooters, as motos automáticas, são o transporte oficial no Sudeste Asiático (e a segunda maior causa de morte na Tailândia, diga-se de passagem). Não é incomum entrar nos hostels e ver a galera toda ralada e perdendo a viagem nos hospitais, porque não é cobrado usar capacete e nem ter carta de motorista, e turistas inexperientes dirigem a velocidades imprudentes (na mão inglesa, usada na Tailândia) e sem roupas adequadas (nas ilhas o pessoal vai de biquíni mesmo). Não estrague sua viagem: use capacete e dirija devagar.

9 – Ir a Patong Beach, em Phuket

Essa praia é o antro do turismo sujo que prostituiu (em todos os sentidos) muitas partes do país, depredou sua natureza e desprezou sua cultura. Um lugar feioso com vida noturna trash. VEJA NOSSO GUIA DE PRAIAS QUE VALEM A PENA

10 – Só ir pra praia e ignorar o resto do país

Sim, a Tailândia tem lindas faixas de areia com água transparente, mas não só. Bangkok é uma capital interessantíssima e o norte do país tem ruínas de templos, refúgios de montanhas, cultura e culinária. Também há outros locais especiais como o parque nacional Khao Sok e a cidade história de Sukhothai. VEJA NOSSAS SUGESTÕES DE ROTEIROS NA TAILÂNDIA AQUI

11 – Tentar enfiar 500 ilhas num roteiro muito curto

O que não fazer na Tailândia: as praias mais vistadas da Tailândia ficam espalhadas entre a costa do Golfo da Tailândia e a costa do Mar de Andaman. O transporte entre as duas é longo e cansativo, e envolve horas em vans e balsas e coordenação de horários. Prefira passar mais tempo em menos ilhas. VEJA MAIS NO NOSSO GUIA DE SOBREVIVÊNCIA NO SUDESTE ASIÁTICO

12 – Levar muita tralha na mala

A Tailândia é um destino bastante barato e atiça nosso consumismo a todo tempo em feiras e mercados coloridos cheios de roupas (as calças com estampas de elefante são o uniforme da galera). Você vai querer comprar, acredite, então deixe espaço na mala. Fora isso, lá faz muito calor quase o ano todo em quase todo país; só leve roupas leves e algum casaco e calça para quando for ao norte.

13 – Comprar 500 tours guiados

Ao chegar nos destinos do país você vai ser bombardeado por vendedores e cartazes de agências oferecendo todo tipo de passeio. Resista à tentação: sua experiência será imensamente mais autêntica (e barata) se você fizer as coisas por conta própria de transporte público ou alugando scooters. Esses tours podem ser mal feitos e corridos e visitam lugares que não valem a pena com grupos grandes demais e guias que não sabem falar um inglês entendível. Só compre o essencial, como passeios de barco, e mesmo assim prefira fechar direto com um barqueiro o roteiro do que ir num passeio “empacotado”. Também é interessante procurar empresas que tenham preocupação com o impacto do turismo e a interação com as comunidades locais, como a Local Alike. VEJA 6 DICAS PRA FUGIR DA MUVUCA EM KOH PHI PHI

14 – Desrespeitar as regras de vestimenta pra entrar nos templos

Você só deve entrar nos templos de ombros e joelhos cobertos. É uma regra chatinha porque faz muito calor, mas estamos no maior país budista do mundo; é preciso respeitar os costumes da religião. Os templos maiores e mais vistados emprestam saias e capas na entrada pra você se cobrir, mas os menores e menos conhecidos não, e muitas vezes não tem ninguém olhando. Mesmo assim, procure respeitar as regras.

Betina Neves

A jornalista é perita em traçar roteiros e vive na eterna busca pela passagem aérea mais barata. Escreve um e outro post por aqui enquanto explora o mundo dentro e fora de si. Pode ser encontrada em cachoeiras na Chapada dos Veadeiros, retiros budistas na Tailândia e montanhas na Califórnia.

26 comentários

Deixe seu comentário

voltar ao topo