tailândia


Por que NÃO andar de elefante na Tailândia (e onde vê-los de forma ética)

É simples assim: andando de elefante você corrobora com uma das atrações turísticas mais cruéis do mundo.

Onde ver elefantes na Tailândia: é polêmico dizer, porque eles vivem uma situação delicada. Um dos maiores símbolos do país, os elefantes são usados pela população há mais 4 mil anos pra trabalho, guerras e transporte – você verá desenhos deles talhados em templos antigos de Ayutthaya e Sukhothai. Essa relação milenar pode dar a impressão de que “ah, eles são domesticados, então tudo bem”. Não. De acordo com a ONG britânica World Animal Foundation, o processo de domesticação cria animais que diferem de seus respectivos selvagens, passando por pelo menos 12 gerações de reprodução seletiva guiada pelo homem. Isso nunca aconteceu com os elefantes; mesmo em cativeiro eles continuam animais selvagens. Além disso, 75% dos elefantes adultos usados hoje no turismo foram tirados da natureza.

No começo do século XX, estima-se que viviam mais de 100 000 elefantes no país. Hoje são cerca de 2500 na natureza e 3500 em cativeiro, efeito da destruição de seus habitats naturais, matanças e maus-tratos. Até 1989, os elefantes eram usados em madeireiras arrastando os trocos das árvores cortadas. Com a proibição, donos de elefantes sem renda migraram para o entretenimento ou foram pedir esmolas com os bichos nas ruas de Bangkok (hoje esta prática também foi banida).

por-que-nao-andar-de-elefante-na-tailandia

Não importa se nasceram em cativeiro ou se foram tirados da natureza, os elefantes usados para passeios, shows e selfies sempre serão animais silvestres: todos sofrem quebra de seu espírito selvagem de modo cruel. Seu treinamento envolve atá-los com cordas ou correntes, ameaçá-los com ganchos pontiagudos, varas, chicotes e fazê-los passar fome e sede. Como normalmente recebem poucos cuidados veterinários, doenças relativamente sem importância fazem-nos sofrer muito.

De acordo com uma pesquisa feita pela World Animal Foundation, cerca de 1300 elefantes na Tailândia vivem sob condições terríveis, o que inclui dormir na beira de estradas, ficar acorrentado a maior parte do dia, não ter acesso a comida adequada e nem cuidado médico, viver sozinho, ser obrigado a participar de shows circenses e jornadas de trabalho intensivas levando gente nas costas. Em abril de 2016, um elefante morreu no Camboja após carregar um turista. Em fevereiro, um turista foi morto por um elefante – o estresse causa comportamentos agressivos; desde 2014 pelo menos 5 turistas foram mortos por elefantes na Tailândia. Até agora não há grande esforços das autoridades locais para melhorar a qualidade de vida dos animais. Falta de leis apropriadas para protegê-los e impedir o tráfico e um sistema de registro de animais em cativeiro precário agravam o problema. Ah, sim, por causa da indústria do turismo, um filhote de elefante pode valer até US$ 60 mil, o que incentiva a caça ilegal.

corrente-elefante

ONDE VER ELEFANTES NA TAILÂNDIA:

(DE UMA FORMA ÉTICA)

Há alguns poucos santuários que cuidam de elefantes resgatados de maus-tratos e permitem experiências éticas com os animais. Pra um lugar ser considerado ético, os elefantes devem ser livres pra comer e beber, viver sem desconforto, de dor, lesões e doenças; poder manifestar seu comportamento natural e não sofrer medo e angústia desnecessários. Eles devem viver soltos, em grupos, ter acesso fácil à água e tratamento veterinário adequado. O lugar não deve permitir passeios nas costas deles e sediar shows. No máximo, turistas podem alimentá-los com frutas e brincar com eles na água.

Com os viajantes criando uma maior conscientização acerca do problema, muitos centros de elefantes se disfarçam de santuários e têm folhetos prometendo um jardim do éden para os bichos, principalmente em Chiang Mai – você vai ver no seu hotel. Desconfie. Pesquise com afinco antes de contratar qualquer coisa.

Elephant Nature Park, Chiang Mai

Onde ver elefantes na Tailândia: pioneiro centro de reabilitação pra elefantes no país, oferece passeios de um dia por cerca de US$ 80 com transporte (eles te pegam no seu hotel em Chiang Mai) e almoço. O lugar é bonito, com um rio e 100 hectares de vegetação nativa. No tour você pode ver elefantes, aprender sobre suas histórias (alguns têm mais de 70 anos!), brincar na água com eles e dar comida na tromba. É simplesmente emocionante passar o tempo observando-os de tão perto. Peça para o seu hotel fazer a reserva (não precisa antecedência).

elefantes-soltos

Boon Lott’s Elephant Sanctuary (BLES), Sukhothai

Foi fundado pela britânica Briton Katherine Connor, reconhecida pela International Fund for Animal Welfare por seu trabalho com elefantes. Pela localização afastada – fica na vila de Baan Tuek, a uma hora de Sukhothai –, ele não recebe visitantes bate-volta. É um esquema meio caro, porque você precisa dormir pelo menos uma noite – a diária custa 5000 bath por pessoa (cerca de US$ 140), e inclui transporte, todas as refeições e atividades. Lá você pode ver elefantes, caminhar junto eles pela floresta, dar banho, ajudar na coleta da comida e na manutenção do lugar – a grana toda é arrecada pra melhorar a vida dos bichões. Pra reservar mande um email para katherine@blesele.org.

ONDE VER ELEFANTES NA TAILÂNDIA:

(DE UMA FORMA ÉTICA)

ElephantsWorld, Kanchanaburi

Onde ver elefantes na Tailândia: ONG de um veterinário tailandês, é uma versão mais modesta do Elephant Nature Park em Chiang Mai. Com o lema “nós trabalhamos para os elefantes, eles não trabalham pra gente”, a ideia é que você contribua com a manutenção do lugar, ajudando a plantar e preparar comida para os animais, dar banho e caminhar com eles na floresta. Há tours de um dia pra ver elefantes por US$ 70, dois por US$ 128 e sete dias por US$ 500, com transporte (eles te pegam no seu hotel em Kanchanaburi), comida e atividades já inclusas no valor.

Wildlife Friends Foundation, Petchaburi

Este santuário ensina sobre medidas de conservação e depois permite ver elefantes, passear pelo parque e dar banho neles. Também pode-se conhecer outros animais resgatados (ursos, macacos) e participar de programas de voluntariado. A experiência de um dia custa US$ 45 (com almoço). Eles podem buscar na cidade litorânea de Hua Hin, Cha-Am (US$ 5) ou Bangkok (US$ 60), a 160 km de lá – pode valer a pena ir de Bangkok a Hua Hin de ônibus e aí pedir o transporte deles.

VEJA MAIS POSTS DA SÉRIE SUDESTE ASIÁTICO:

A autora

Betina Neves

Betina Neves

Editora do Carpe Mundi, viaja pra trabalhar e trabalha pra viajar. É jornalista freelancer e já escreveu pra Viagem e Turismo, ELLE, Claudia, Vamos LATAM, Superinteressante, Cosmopolitan, VEJA São Paulo, Folha de S. Paulo, entre outras publicações.


Instagram

Há 21 comentários para “Por que NÃO andar de elefante na Tailândia (e onde vê-los de forma ética)

  1. Oi, Betina.
    Quando eu tava programando minha viagem olhei esse post e vi que não precisava de antecedencia para bookar o Elephant Nature Park. Mas agora, segundo o site, não tem disponibilidade pro dia que eu quero (daqui a 4 dias). Você sabe se na hora eu consigo ir ou as informações do site realmente refletem a quantidade real de ingressos? Obrigada.

    1. Oi Júlia. Olha, não tenho certeza, mas sinceramente eu acho que não, porque o site mostra que dezembro inteiro está lotado, e acho isso bem improvável – eu viajei em dezembro do ano passado e reservei pra dali a dois dias na hora que cheguei em Chiang Mai. Sugiro você entrar em contato com seu hotel e pedir pra reservarem pra você. beijos 🙂

    1. Oi Grazielle!
      Então, é difícil eu te dizer, são muitos santuários de elefantes; mas como não permitem que você monte neles já é um bom sinal. Eu só tenho informação CERTA sobre esses que eu indiquei.

  2. Olá, Bom dia!

    Sabe nos dizer se em Wildlife Friends Foundation, existem empresas de turismo que fazem o passeio até lá (de Bangkok), ou se o próprio santuário disponibiliza transporte para buscar os turistas?

    Obrigada desde Já, adorei eu blog 🙂
    beijos

  3. Betina, em Chiang Mai eu visitei o Elephant Rescue Park, que cuida de elefantes bebês que trabalhavam em circos. Eles só tem três elefantinhos, mas é tão legal. A gente faz o programa de meio dia, incluindo almoço. Alimenta os bebês, leva-os passear e no final da banho neles. Tudo orientado pelo Kid, que é o fundador do local. Ele faz um trabalho lindo e que vale a pena, a gente percebe que ali eles têm amor pelos animais.
    O site é http://elephantrescuepark.com

  4. Oi , Betina
    Estou adorando seu blog !
    Anoto tudo que me interessa . Está me ajudando muito, viajo dia 08 de junho , espero que não chova muito.
    Bjs e super obrigada !

  5. Incrível, Betina!

    Há muitos anos atrás fui ao Zoo Lujan na Argentina e achei incrível a experiência de você está tão perto de animais tão temidos e lindos quanto os felinos. Há pouco tempo descobri que eles são super mal tratados, dopados e tudo mais. Me senti péssima, indo contra tudo que sempre acreditei. Agora programando meu mochilão pela Ásia, fiquei encantada com a possibilidade de estar pertinho dos elefantes e, ao mesmo tempo, preocupada em escolher o local errado.

    Essa história toda era apenas pra dizer: MUITO OBRIGADA por esse post. Fiquei emocionada e triste ao ver o vídeo, mas bateu aquela pontinha de esperança na humanidade em saber que tem tanta gente boa tentando mudar essa situação de crueldade e que a gente pode fazer a nossa parte no bem.

    Obrigada. =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *