estados unidos


O que fazer em Miami além das compras: 10 programas (com as novidades de 2017!)

Sim, comprar em Miami também é imperdível. Mas a cidade está tão agitada com outras atrações que você precisa dar um tempo nas vitrines. Veja aqui o que fazer em Miami além das compras.

O que fazer em Miami além das compras: 10 programas

BIKE E PÔR DO SOL EM SOUTH BEACH

Alugue uma bicicleta em alguma das estações da Déco Bike, o sistema de compartilhamento público de Miami, e parta para um giro pela Ocean Drive, avenida da praia de South Beach, pra ver as construções art déco de cores pastéis e o calçadão animado com público mais heterogêneo impossível. Pedale sentindo a brisa do mar a parando pra tirar foto das icônicas casinhas de salva-vidas coloridas. O ponto final do passeio é o South Pointe Park, na pontinha de South Beach, com uma vista linda para o mar.

south-pointe-park

ocean-drive

WYNWOOD

Tem tanta coisa pra fazer em Wynwood, o bairro mais descolado de Miami, que você vai ter que voltar lá pelo menos duas vezes durante a sua viagem. O melhor é ir numa sexta ou sábado de tarde e fazer uma peregrinação (com muita comilança) pelos pontos mais legais: passe pra ver o que está rolando no Wynwood Yard (desde aulas de yoga a noites de karaoquê, sessões de cinema, música vivo e aulas de pintura) e depois vá para a NW 2nd Avenue, a mais agitada do bairro, para ver lojas legais como a Plant the Future, o café do Panther Coffee, os presentinhos fofos da Malaquita Design, as paredes grafitadas de Wynwood Walls, a guacamole do Coyo Tacos. Veja o que fazer em Wynwood neste post.

wynwood-arte-urbana

DESIGN DISTRICT

O passeio pelo Design District é gostoso até pra quem não tem a intenção de comprar quadros/móveis/objetos de decoração/sapatos na Armani Casa, na Kartell, na Loboutin ou na Dior (a loja dali é linda). As lojas e galerias ficam espalhadas pela NE 2nd Avenue e as ruas 39th, 40th e 41th. Dê uma parada pra ver a exposição da vez prédio-caixote branco que abriga a De La Cruz Collection ou as mostras doInstitute of Contemporary Art. Também tem lugarzinhos legais pra comer (incluindo até uma filial da Ladurée, a famosa loja de macarons de Paris), como oMandolin Aegean Bistro e o Michael’s Genuine Food & Drink. Continue lendo pra saber mais sobre o que fazer em Miami.

PEREZ ART MUSEUM E FROST MUSEUM OF SCIENCE

Uma adição recente à cidade é esta área, chamada de Museum Park. Ali está o incrível Pérez Art Museum, que abriga mais de 2 mil obras de artistas latinos e americanos expostas de forma rotativa e ainda mostras temporárias de gente bacana como a artista australiana Toba Khedoori (em curso até setembro deste ano). A construção diferentona com cobertura vazada e plantas pendentes aloja os trabalhos e orna lindamente com um jardim enorme com banquinhos onde o pessoal senta depois do passeio para contemplar o mar da Baía de Biscayne. Depois, vá ao novo Phillip and Patricia Frost Museum of Science, que abriu em maio, um gigante de 20 mil m². Ótimo para crianças (mas capaz de manter adultos igualmente entretidos), o museu propõe uma jornada visual por instalações descomunais como um planetário com projeções 3D e um aquário circular cheio de tubarões, além de exposições sobre o universo, o corpo humano e a história do voo.

BRICKELL CITY CENTER

Esse empreendimento supermoderno cheio de vãos abertos que custou mais de US$ 1 bilhão abriu em novembro de 2016. Ali tem lojas comuns como Sephora e Victoria’s Secret e também marcas que têm poucas (ou nenhuma) outra loja nos EUA, como a Font, de sapatos, e a Illesteva, de óculos, ambas italianas (amooo esses óculos). Também dá para pegar um filme no Cinemex e comer no Luke’s Lobster, da rede nova-iorquina que serve pratos em conta com lagostas fresquíssimas, ou na filial do Pubelly Sushi, com releituras inventivas de pratos japa – não perca o siri amanteigado. E ele fica interligado com o hotel East, onde está o Sugar, o bar rooftop mais quente da cidade atualmente. Até o fim do ano deve abrir o La Centrale, um mercadão italiano tipo o Eataly que vai misturar restaurantes com empório gourmet. Continue lendo pra saber mais sobre o que fazer em Miami.

brickell-city-centre

ADRIENNE ARSHT CENTER E AMERICAN AIRLINES ARENA

Ambos estão no Downtown, bem perto um do outro. O prédio arrojado do Adrienne foi construído há uma década pelo arquiteto argentino César Pelli e abriga apresentações da Miami Symphony Orchestra e do Miami City Ballet. Para algo mais pop, veja a programação da AA Arena: tem jogos de basquete do time local, o Miami Heat, e shows como Enrique Iglesias e Pit Bull, Paul Mccartney e até Cirque du Soleil.

VIZCAYA MUSEUM & GARDENS

Esse lugar na beira da água em Coral Gables é uma mansão renascentista italiana do começo do século 20 que virou museu, preservando o mobiliário da época. A parte mais legal, porém, são os jardins ao redor, que cobrem 100 mil m² e têm centenas de tipos de plantas. Um passeio gostoso e bucólico. Continue lendo pra saber mais sobre o que fazer em Miami.

Vizcaya-jardins

STAND UP PADDLE OU CAIAQUE NO HOBIE ISLAND BEACH PARK

Essa praia consiste em um trecho estreito de areia em Virginia Key, no caminho de Downtown pra Key Biscayne. Ali funciona o SoSUP, empresa de uma francesa que aluga pedalinhos, caiaques e pranchas de stand up para você remar no mar calminho com vista para os prédios da cidade. Vá num dia ensolarado e, mais importante, sem vento (com o mar muito agitado não dá pra aproveitar).

BILL BAGGS CAPE PARK FLORIDA STATE PARK

Um achado em Miami, fica ao sul da ilhota de Key Biscayne. Nessa área preservada com bosques pantanosos, mesas de piquenique e um restaurante, uma praia semivirgem acolhe com águas calmas e areia branquinha. Um farol de 1825 deixa o panorama ainda mais fotogênico, e o pôr do sol colore o céu todos os dias. Um lugar lindo que te lembra que Miami tem uma relação muito próxima com a natureza. Continue lendo pra saber mais sobre o que fazer em Miami.

LITTLE HAVANA

A bem da verdade, Little Havana, o refúgio histórico dos cubanos na cidade, virou bem turisticona, com um monte de tours com gringos de outras partes dos EUA atrás de comer empanadas e tomar caldo de cana (que aparentemente também é típico em Cuba). Mesmo assim, vale a pena pegar uma tarde pra conhecer a SW 8th St, a famosa Calle 8, onde estão endereços como o Maximo Gomez Park, onde os velhinhos ficam jogando dominó, e a Cuba Tobacco Cigar Co., loja onde enrolam charutos e o dono caricato fica sentado em frente o dia inteiro fumando. Almoce no Ball & Chain, um restaurante com um pátio ao ar livre na parte de trás onde dá passar umas horas comendo tapas (tem milho cozido, tacos, quesadilla, asianha de frango) e tomando daiquiri de goiaba (delícia). Depois dali tome um sorvete na Azucar Ice Cream Company, que tem esse chão de ladrilhos que fica lindo no Instagram.

A autora

Betina Neves

Betina Neves

Editora do Carpe Mundi, viaja pra trabalhar e trabalha pra viajar. É jornalista freelancer e já escreveu pra Viagem e Turismo, ELLE, Claudia, Vamos LATAM, Superinteressante, Cosmopolitan, VEJA São Paulo, Folha de S. Paulo, entre outras publicações.


Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *