FUTURO DAS VIAGENS

A Covid-19 acabou oferecendo uma oportunidade de repensar o jeito que viajamos e resetar a indústria do turismo, uma das mais afetadas pela pandemia. É importante lembrar que ela vinha crescendo desenfreadamente e seguia modelos extremamente problemáticos em uma série de lugares, com problemas como degradação de ecossistemas frágeis, aumento da geração de lixo, apagamento de identidade cultural e atividades de comunidades tradicionais e aumento da desigualdade social.

FUTURO DAS VIAGENS: Com a chacoalhada da pandemia, o que nos espera por aí? Apoiadas nas análises de grandes veículos globais e na nossa experiência aqui no Carpe Mundi, deixamos nossas apostas para o que vem por aí – com um pouco do que a gente acha que vai acontecer e outro tanto do que a gente gostaria que acontecesse.

Autoconhecimento e viagens: uma jornada interior – leia mais aqui

1Futuro das viagens: o que esperar da indústria do turismo nos próximos anos

Talvez fique mais caro ir pra longe por um tempo

Essa matéria da Economist sobre o futuro das viagens fala da demora do tráfego aéreo para se reestabelecer, e que isso vai acontecer em partes: primeiro os voos nacionais, depois os voos internacionais regionais, e, por último, os voos de longa distância. A coisa está feia para grande parte das cias aéreas – segundo a revista, a gente pode ver muitos nomões morrerem nos próximos anos. A diminuição na demanda e na oferta de voos pode causar aumentos nos preços das passagens, e a desvalorização do real vai encarecer ainda mais a coisa pra gente.

Talvez a gente faça mais turismo de natureza

Isso já está acontecendo por causa do distanciamento social. Além disso, destinos urbanos poderão estar com limitações nas atrações mesmo depois que a pandemia passar. E pode ser que, para quem ficou tanto tempo preso, principalmente nas grandes cidades, estar na natureza venha como um desejo forte.

LEIA MAIS: 12 trilhas perto de São Paulo para entrar em contato com a natureza

Talvez a gente busque menos quantidade e mais qualidade

Por consciência própria ou forçadamente por causa das circunstâncias – porque o modelo de turismo deve mudar em muitos lugares e as preocupações com sustentabilidade estão à tona em todas as pontas da cadeira –, pode ser que o turismo empacotado, acelerado e massificado saia cada vez mais de cena para dar lugar a algo mais consciente, mais profundo, mais lento, mais pensado. Algo melhor, mais interessante e menos superficial, que considere o impacto e não só o entretenimento.

Talvez a gente comece a valorizar menos a selfie manjada e mais experiências diferentes

Destinos que estavam sofrendo com superlotação de turistas, como Amsterdã, Barcelona e Veneza, já estão tomando atitudes para que as coisas não voltem a ser o que eram antes. Na Tailândia, por exemplo, a famosa praia de Maya Bay segue fechada e o governo está fazendo uma companha para promover partes menos visitadas do país. No Peru, Machu Picchu deve diminuir o limite de visitantes por dia. Isso pode nos incentivar a ampliar os horizontes, até dentro do nosso país.

mochilas-viagem

FUTURO DAS VIAGENS

Talvez a gente siga alugando casas e trabalhando remoto

O “modelo” de turismo que tem rolado no momento pode continuar, principalmente a coisa do aluguel de casas para trabalho remoto, já que há mais empresas adotando o esquema e proprietários de casas de temporada apostando em Wi-Fi rápido. Quem aí também tem pastinhas de casas legais salvas no Airbnb e em outros sites?

LEIA MAIS: 27 casas incríveis pra alugar perto de São Paulo e do Rio de Janeiro

Talvez a gente procure mais experiências de bem-estar, yoga e meditação

O guruzão Deepak Chopra disse nessa matéria que vê cada vez mais gente buscando viagens para se reinventar, se reconectar com a vida e com a natureza e buscar a própria essência através da espiritualidade e autoconhecimento depois da pandemia. E não precisa ir pro outro lado do mundo pra isso: o Brasil está repleto de experiências desse tipo, em spas, pousadas, retiros, ecovillas e outros locais.

LEIA TAMBÉM: Retiros espirituais: vem ver onde fazer sua viagem zen pra acalmar a mente

Talvez as viagens envolvam mais visita a amigos e familiares

O New York Times fala que possivelmente tenhamos mais vontade de visitar pessoas queridas que moram longe para fortalecer as relações depois desse período de isolamento. Ver aquele tio que mora no Nordeste, aquela amiga que mudou pra Portugal, aquela prima que teve filho no interior e que você ainda não conheceu.

LEIA TAMBÉM: Como viajar com os amigos sem perder a amizade

Talvez as políticas de cancelamento e remarcação sigam mais flexíveis

Especialistas preveem que as empresas vão seguir possibilitando remarcar e cancelar viagens com mais facilidade para incentivar o turismo, já que as pessoas estão mais acostumadas com a sensação de incerteza e com as mudanças de planos de última hora agora. Além disso, reservas em cima da hora devem se tornar mais comuns.

LEIA TAMBÉM: Atraso de voo, cancelamento e overbooking: veja seus direitos

Talvez esteja todo mundo de fato pensando mais sustentabilidade

Pode ser realmente o momento de uma tomada de consciência em relação ao turismo, para repensamos como viajamos, porque viajamos e para onde viajamos. Nos preocupamos com nosso impacto nos lugares que visitamos? Estamos dispostos a abrir os olhos para os males da indústria para fazer e cobrar mudanças? Vamos nos voltar para jeitos mais autênticos e conscientes de viajar?

LEIA TAMBÉM: 9 dicas pra viajar de maneira mais ética e responsável com o mundo

Talvez a gente pare de planejar e vá logo fazer aquela viagem tão desejada

A pandemia mostrou que a vida pode dar reviravoltas loucas e que não podemos ficar adiando nossos sonhos. Dentro dessa nova consciência de viajar e do que será possível nos próximos tempos, para onde você quer ir? Quem e o quê você quer ver e vivenciar?

Betina Neves

A jornalista é perita em traçar roteiros e vive na eterna busca pela passagem aérea mais barata. Escreve um e outro post por aqui enquanto explora o mundo dentro e fora de si. Pode ser encontrada em cachoeiras na Chapada dos Veadeiros, retiros budistas na Tailândia e montanhas na Califórnia.

Deixe seu comentário

voltar ao topo