frança


Como visitar o Palácio de Versalhes a partir de Paris

Ícone-mor da opulência que cercava a nobreza antes da Revolução Francesa e expressão máxima do barroco, o Palácio de Versalhes foi construído para ser o playground de caça do rei Luis XIII.

Inicialmente, era relativamente modesto para os padrões da época. Mais tarde, seu filho Luis XIV ampliou e aprimorou o edifício e, finalmente, transferiu a corte para seus domínios. Quem pagou o pato foi Luís XVI que, depois de tornar o lugar ainda mais nababesco, acabou na guilhotina. Além de visitar o interior do palácio, é essencial passear pelos jardins (o suprassumo da obra do paisagista André Le Nôtre) e também pelo refúgio de Maria Antonieta. Veja aqui nosso miniguia para visitar o Palácio de Versalhes.

LEIA TAMBÉM: Uma tarde em Montmartre, em Paris
O que fazer no descolado bairro do Haut Maris, em Paris

versalhes

QUANDO IR

Mesmo que você tenha poucos dias em Paris, vale reservar pelos menos uma manhã e uma tarde (não vai tomar menos tempo que isso) para conhecer Versalhes. No site oficial há dois gráficos que mostram o fluxo de visitantes. Mas, em resumo, fuja dos finais de semana. Eles podem significar filas enormes para entrar no castelo (que são bem desagradáveis se for inverno e você tiver que esperar horas no frio), uma multidão de gente se amontoando nos aposentos e lotando as mesas na hora do almoço (eu cheguei a comer minha baguete sentada no chão). E é sempre bom chegar cedo.

COMO CHEGAR NO PALÁCIO DE VERSALHES A PARTIR DE PARIS

De Paris, o melhor jeito é ir de trem ou RER (o trem metropolitano), são cerca de 45 minutos de viagem. Há três opções, que você escolhe dependendo da estação que estiver mais perto de você:

– De trem desde a Gare Montparnasse até a estação Versailles Chantiers;

– De trem desde a Gare Saint Lazare até a estação Versailles Rive Droite;

– De RER, linha C, que para nas estações Versailles Chantiers e Versailles Rive Gauche.

A estação mais próxima do castelo é Versailles Rive Gauche, mas se parar em qualquer uma das outras vai caminhar no máximo 20 minutos pra chegar nele.

No site www.ratp.fr/itineraires você consegue planejar a rota direitinho.

*Pra não se preocupar com nada, veja os bate-voltas de Paris a Versalhes com a PARISCityVISION, sem fila de espera, com guia durante a vista, almoço exclusivo e outras ofertas. Saiba mais aqui!

PREÇOS

Assim que sair do trem, a multidão vai correr para comprar os ingressos (desde  € 18 para ter acesso completo ao complexo) – dá pra comprar pela internet para evitar essa fila, ou estar com o Paris Museum Pass que já inclui a entrada. Aí você pode seguir direto para a fila na entrada do palácio.

O PALÁCIO

Finalement, o Palácio de Versalhes, o maior símbolo da ostentação da corta francesa através dos séculos. Quando você entra, um circuito com quadros e filminhos conta a história do lugar, que começou como um castelinho qualquer nota de tijolo e pedra, construído por Luís XIII, até que foi transformado a aumentado por seu filho Luís XIV, o Rei Sol, que instalou ali a corte e a sede do governo francês em 1682. No século 18, o palácio foi renovado nos reinados de Luís XV e Luís XVI.

Eu não dispensaria o audioguia (já incluído no preço da entrada), para não perder pequenos detalhes que ajudam a entender a lógica da construção como um todo e curiosidades do cotidiano da corte – se não, você acaba se distraindo entre os mil flashes da turistada. É legal saber, por exemplo, que o quarto do rei tinha suas janelas voltadas por o leste, de modo que o monarca fosse o primeiro a contemplar o sol nascendo.

O auge da visita é normalmente a gloriosa Galerie des Glaces, ou Sala dos Espelhos. Seus 357 espelhos, que ornam as arcadas, foram colocados ali na época para mostrar que ninguém podia com a França quando se tratava de objetos de luxo. A sala era usada para reuniões e festas, como o baile de máscaras do casamento de Maria Antonieta e Luís XVI, em 1770.

Mas o que me deixou boba mesmo foram os aposentos reais. Não sei se conseguiria dormir sem me sentir ofuscada por tanto dourado do quarto da rainha.

sala-dos-espelhos-versalhes

JARDINS

A parte mais gostosa do passeio. Os jardins do Palácio de Versalhes devem todo seu esplendor a André Le Nôtre, jardineiro do rei Luís XIV que foi responsável por outras joias do paisagismo francês como o Jardim das Tulherias em Paris. Ele demorou cerca de 40 anos pra completar o projeto!

A melhor época pra conhecê-los é sem dúvida o verão e a primavera, quando dá pra passar horas passeando entre os canteiros, estátuas e gramados, admirando as fontes como a de Apolo, com seus cavalos emergindo do espelho d’água.

Cheque o calendário antes de ir para ver os Jardins Musicaux (sábados e domingos de 26/3/2016 a 30/10/2016), quando tocam música, e as Grandes Eaux (terças de 5/7/2016 a 25/10/2016, sextas de 1/7/2016 a 30/9/2016), quando fazem um espetáculo de águas nas fontes acompanhando o ritmo das músicas. Há também a versão noturna do evento, com fogos de artifício.

jardim-versalhes

GRAND E PETIT TRIANON E DOMÍNIOS DE MARIA ANTONIETA

Construído no século 17, o Grand Trianon era a residência de lazer de Luís XIV e sua família. Vale uma passadinha, mas os cômodos não são tão suntuosos. Já o fofo Petit Trianon foi construído em 1774 para Maria Antonieta, que gostava de ficar refugiada ali longe das frescuras da corte de Versalhes. O palacete parece uma casa de boneca, e os jardins são impecáveis. A caminhada para chegar até lá é bastante agradável por entre grandes árvores – desde que não chova, claro, senão a estrada vira um lamacê só.

TRANSPORTE LÁ DENTRO

Há um trenzinho que pode fazer o transporte entre o Palácio de Versalhes, o Grand e o Petit Trianon por € 7,50. No calor é bacana caminhar, mas se estiver frio ele ajuda à beça.

COMES E BEBES

Dentro do Palácio de Versalhes há um Salon de Thé Angelina, que tem macarrons gostosos, baguetes recheadas e pratos à la carte, tudo bem carinho, e pode ter uma fila horrível nos fins de semana. Em setembro de 2016, foi adicionado ao lugar o restaurante contemporâneo Ore, do chef estrelado Alain Ducasse – os pratos de almoço custam entre € 14 e € 26. Também tem  um Le Grand Café d’Orléans. Nos jardins, a Brasserie de la Girandole tem crepes, sanduíches e omeletes por cerca de € 8. O carrinho da La Parmentier de Versailles vende backed potato. Pra gastar menos, é sempre uma boa comprar quitutes em Paris e levar para um piquenique nos jardins (no verão e na primavera, claro, quando o clima é mais clemente).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *