DICAS ILHABELA

Pedacinho especial do Litoral Norte paulista, Ilhabela exibe um território forrado de Mata Atlântica preservada, cachoeiras vistosas, praias de água clarinha e um centrinho charmoso com pousadas e restaurantes.

Mas é bom ir preparado: a proximidade com a natureza enche a ilha de borrachudos e o acesso pela balsa quase sempre é demorado, principalmente na alta temporada. Aqui vão nossas dicas pra te ajudar a organizar a trip.

Dicas Ilhabela

COMO CHEGAR

A balsa para Ilhabela fica em São Sebastião (SP), distante 210 km da capital paulista e 440 km do Rio de Janeiro – você pode ir de carro e ou chegar de ônibus na rodoviária da cidade, que fica a apenas 1 km da entrada da balsa. Se estiver a pé,  embarca direto na balsa sem de custo. De carro, o ideal é reservar seu horário com antecedência, principalmente no verão e em feriados durante ano. Reservar fica mais caro (a partir de R$ 46, 40, enquanto o preço normal é R$ 19 em dias úteis e R$ 28,50 sábados, domingos e feriados), mas compensa – a espera na fila pode chegar a 5 horas (!).

BORRACHUDOS: COMO LIDAR?

Para mim, os borrachudos são um dos maiores problemas da ilha, senão o maior. A presença tão forte deles acontece justamente por conta da área natural preservada e das águas extremamente limpas, que colaboram para a reprodução do inseto. O esquema é se prevenir: principalmente nas praias, trilhas e cachoeiras, use repelente. As marcas tradicionais quase sempre funcionam, mas vale testar o Citroilha, o repelente local feito de citronela. O pequeno custa em média R$ 20 e o grande, R$ 25 – procure nas farmácias do centro.

MELHOR ÉPOCA

Apesar de ser ótimo curtir as praias no verão, essa é a época em que tudo na ilha fica mais cheio e caro. A balsa fica com horas de fila e para andar poucos quilômetros dentro da ilha você demora o dobro do tempo do que em outros períodos dos ano. O mesmo vale para feriados. O período entre março a maio vai muito bem: ainda está calor, tem bem menos gente e as chuvas, abundantes no verão, arrefecem. Outra época boa para conhecer a ilha é durante a Semana Internacional da Vela, no mês de julho, quando o mar fica salpicado de barquinhos e a cidade se transforma para receber turistas e competidores do mundo inteiro. Também vale ficar ligado nos outros eventos da cidade.

LEIA MAIS: O que fazer em Ilhabela: 9 experiências pra não perder na ilha

Dicas Ilhabela

ONDE FICAR

A ilha é dividida entre a região ao norte da balsa, que concentra a área mais urbanizada e possui uma variedade mais democrática de hospedagens, e ao sul, onde estão as pousadas e hotéis pé na areia mais sofisticados. Você também pode se hospedar em pousadinhas simples, mas confortáveis, nas praias de mar aberto – mas aí fica mais longe do centrinho para passear de noite.

No norte, sugiro o Hostel da Vila Ilhabela (diárias a partir de R$ 40 no quarto compartilhado e R$ 160 no individual) ou o Hotel Itapemar (diárias a partir de R$ 420). No sul, há os badalados DPNY Beach Hotel & SPA (diárias a partir de R$ 760) e TW Guaimbê – Exclusive Suites (diárias a partir de R$ 1000); e, no Bonete, a Pousada Canto Bravo (a partir de R$ 190).

LEIA MAIS: Onde ficar em Ilhabela: 15 opções entre hostels, pousadas e hotéis

hospedagem-ilhabela

Dicas Ilhabela

ONDE COMER

É principalmente entre as praias do Perequê e Santa Tereza, o trecho mais movimentado de Ilhabela, que se concentra a cena gastronômica da cidade, com uma boa seleção de quiosques, food trucks, bares, cafés e restaurantes. Há também os beach clubs, que oferecem a opção de passar o dia na areia pagando uma consumação de quitutes e drinks, e os restaurantes dos hotéis chiquetosos do sul da ilha.

Para o tradicional quiosque de praia, com peixes e frutos do mar, vá ao Prainha do Julião Bar & Restaurante. Se quiser uma comida caseira com ótimo custo-benefício, uma boa opção é o Restaurante Pimenta de Cheiro. O Marakuthai, da chef Renata Vanzetto, vale a fama que tem, e o All Mirante Bar e Restaurante esbanja uma das vistas para o mar mais bonitas da ilha. Em Castelhanos, não perca o Quiosque do Alemão.

LEIA MAIS: Onde comer em Ilhabela: 15 restaurantes selecionados a dedo

Dicas Ilhabela

O QUE FAZER

Ilhabela é o reduto de praias gostosas, cachoeiras exuberantes e um casario histórico que complementa muito bem sua paisagem. Dá para fazer um passeio diferente por dia.

Praias: Distribuídas entre 130 km de costa, as 42 faixas de areia fazem a população crescer em até cinco vezes durante a alta temporada. Uma única estrada faz a ligação dos dois extremos da ilha: de ponta a ponta, o percurso leva pouco mais de uma hora, passando por orlas agitadas e vários trechos desertos. No sul, vale visitar as praias da Feiticeira, Julião, Curral e Veloso. No norte, a praia da Armação e do Jabaquara são imperdíveis. Claro, você também não pode deixar de ir até Castelhanos e Bonete, que valem o esforço de chegar. Veja aqui as 13 praias de Ilhabela que você precisa conhecer nas próximas férias.

Centro Histórico: Erguido ao redor da Igreja Matriz de Ilhabela, o centrinho da ilha nasceu após o senhor de engenho Julião de Moura Negrão exigir a separação de São Sebastião para virar um município independente no começo do século 19. Hoje há ali o marco zero da cidade e outras construções originais da época, que abrigam lojinhas, sorveterias e restaurantes com mesas na calçada.

Cachoeiras: Com 360 quedas d’água, corredeiras, poços e nascentes registradas, Ilhabela é considerada a ilha brasileira com maior número de cachoeiras no Brasil (tá aí o porquê de tantos borrachudos!), com cerca de 30 delas abertas ao público para banho. Algumas são de fácil acesso e possuem trilhas leves, já outras têm percursos mais aventureiros. Não deixe de visitar a do Paquetá, a Três Tombos e a da Toca.

LEIA MAIS: Cachoeiras de Ilhabela: veja aqui quais visitar e o que esperar de cada uma delas

*O Carpe Mundi viajou à Ilhabela a convite da Secretaria de Turismo de Ilhabela em parceria com a Braztoa – Associação Brasileira das Operadoras de Turismo. O conteúdo do post é independente e reflete a opinião da autora e do blog.

Bruna Nobrega

Acredita no lema "trabalhe com o que você gosta e você nunca estará trabalhando". Além de ser amante das viagens, é doida por entretenimento: daí seus dois anos na redação da Capricho antes de chegar aqui no Carpe Mundi. Reza pra próxima viagem ser para destinos que já foram cenário de filmes ou séries.

Deixe seu comentário

voltar ao topo