Cachoeiras de Ilhabela:
Patrimônio Natural e Reserva da Biosfera pela UNESCO com 94% de Mata Atlântica preservada, não é se de espantar que Ilhabela tenha umas das paisagens naturais mais encantadoras do litoral, com praias paradisíacas, reservas verdes e muuuuitas cachoeiras.

Com 360 quedas d’água, corredeiras, poços e nascentes registradas, Ilhabela é considerada a ilha brasileira com maior número de cachoeiras no Brasil (tá aí o porquê de tantos borrachudos!), com cerca de 30 delas abertas ao público para banho. Algumas são de fácil acesso e possuem trilhas leves, já outras têm percursos mais aventurosos. Em todas, a dica sempre é: use repelente!

Conheça abaixo 9 das melhores cachoeiras de Ilhabela:

CACHOEIRAS DO CENTRO E NORTE

Cachoeiras de Ilhabela:
5 POÇOS

Localizada na entrada do Parque Estadual de Ilhabela, na estrada que leva até Castelhanos, a trilha da Água Branca junta cinco poços de água em um percurso de aproximadamente 4 km. A trilha, de leve a moderada, tem paradas pra descanso entre todas as quedas que formam piscinas naturais. No Poço do Jequitibá, a queda d’água é de 12 metros. Difícil dizer qual é o melhor, mas o último, do Jabuti, é sempre o mais vazio.

Cachoeiras de Ilhabela:
DO BOI E FRIAGEM

A partir da praia do Viana há uma trilha de nível moderado a difícil que leva até essas duas cachoeiras. O ideal é ir com um guia experiente pois há pontos confusos, escorregadios e com mata fechada. A cachoeira do Boi é ótima para aproveitar uma hidromassagem natural, pois suas águas caem em degraus e correm por uma rampa. Já a cachoeira da Friagem tem uma grande queda sem poço e o rio segue um percurso lindo em meio às pedras e uma árvore centenária.

Cachoeiras de Ilhabela:
TOCA

Uma gruta de pedras no meio da água dá nome ao lugar que é um dos mais bacanas da ilha. Dentro de um antigo engenho de açúcar, a cachoeira fica em uma propriedade privada onde o dono cobra R$ 20 pela entrada por pessoa, mas com direito à estrutura de estacionamentos, banheiros e restaurante. Lá dentro é possível fazer trilhas, tomar duchas nas quedas d’água, escorregar pela correnteza até um dos poços ou só relaxar nas piscinas naturais. No verão, há a possibilidade de fazer arvorismo, rapel e tirolesa (pagos à parte). Você também pode experimentar a tradicional aguardente direto do alambique local.

LEIA MAIS: Onde comer em Ilhabela: 15 restaurantes selecionados a dedo

Onde ficar em Ilhabela: 15 opções entre hostels, pousadas e hotéis

Ilhabela: praias de Castelhanos e Bonete, dois paraísos do litoral paulista

CACHOEIRAS DO SUL

Cachoeiras de Ilhabela:
PAQUETÁ

Uma das cachoeiras mais famosas e procuradas da ilha, a Paquetá também é uma das mais bonitas. Fica em área privada e, por isso, não há muita sinalização pra chegar ali, mas não é difícil encontrar a trilha que fica entre a praia do Julião e a Praia Grande. É dividida em três paradas, as duas primeiras com poços de água cristalina para mergulho e a terceira que é realmente o grande charme do lugar, com uma correnteza que serve de tobogã e que forma uma piscina de borda infinita maravilhosa com vista para o mar. A trilha é leve no começo, mas bem inclinada e um pouco escorregadia no final: vá de tênis.

Cachoeiras de Ilhabela:
TRÊS TOMBOS

Uma das cachoeiras de mais fácil acesso da ilha. Localizada próxima à praia da Feiticeira, como o nome diz, possui três quedas d’água em sequência. A primeira forma uma piscina natural ótima para banho, a segunda é um pouco mais rasa, mas super fotogênica, e a terceira tem uma linda queda de 20 metros de altura em um paredão rochoso.

Cachoeiras de Ilhabela:
VELOSO

Pertinho da praia do Veloso, a trilha para a cachoeira está em uma área particular, o Camping do Sítio, mas é aberta ao público. Com 2,2 km entre ida e volta, a cachoeira pede um bate-perna leve até a primeira queda e um pouco mais íngreme e difícil até as outras duas. Todas as quedas tem mais de 50 metros de altura (são as maiores da ilha!) e ficam deslumbrantes em dias de sol, quando a água reflete a luz.

CACHOEIRAS DAS PRAIAS DE MAR ABERTO

(Praias de Bonete e Castelhanos, de difícil acesso)

Cachoeiras de Ilhabela:
DO GATO

A praia de Castelhanos já é uma beleza por si só, mas se você quiser mais aventura vale a pena encarar os 4 km de ida e volta até a cachoeira do Gato. A trilha é de dificuldade média, mas o tempo passa rápido ao caminhar observando várias espécies da flora nativas, como o ipê e o pau-d’alho, além das graciosas borboletas. Chegando lá, você irá se deparar com uma queda d’água de 40 metros, uma das maiores de Ilhabela, que forma uma linda piscina natural.

Cachoeiras de Ilhabela:
LAGE E AREADO

Paradas imperdíveis pra quem está fazendo a trilha até o Bonete, as cachoeiras da Lage e do Areado são um presente em meio à caminhada de quatro horas. Depois do estacionamento da Ponta da Sepituba, são mais ou menos 50 minutos de caminhada até a Lage, uma cachoeira que reúne vários poços de banho e até um tobogã em meio às pedras. A cachoeira do Areado fica um pouco mais distante, com quase duas horas de trilha a partir da Lage, mas a recompensa final é uma linda queda d’água com piscina natural ótima pra se refrescar depois de bater perna. Em tempo: a trilha é de nível médio a difícil, com algumas subidas íngremes e uma parte em que é preciso caminhar pelo leito do rio, com a água batendo na altura das coxas.

Cachoeiras de Ilhabela:
POÇO FUNDO

A pouco mais de 1 km do Bonete é possível encontrar outra cachoeira: a do Poço Fundo. Ela não tem altas quedas d’água, mas forma uma piscina natural bem grande conhecida como o “ar condicionado do Bonete” pelas baixas temperaturas da água – perfeita para aqueles dias mais quentes do verão. Pra quem está por ali mas não encara a força das ondas do mar, é a pedida.

*O Carpe Mundi viajou à Ilhabela a convite da Secretaria de Turismo de Ilhabela em parceria com a Braztoa – Associação Brasileira das Operadoras de Turismo. O conteúdo do post é independente e reflete a opinião da autora e do blog.

Bruna Nobrega

Acredita no lema "trabalhe com o que você gosta e você nunca estará trabalhando". Além de ser amante das viagens, é doida por entretenimento: daí seus dois anos na redação da Capricho antes de chegar aqui no Carpe Mundi. Reza pra próxima viagem ser para destinos que já foram cenário de filmes ou séries.

Deixe seu comentário

voltar ao topo