Fugir da alta do dólar não dá, mas sempre existem mil e uma maneiras de economizar na Big Apple,

a começar trocando os US$ 60 do táxi e mesmo os US$ 30 do shuttle (o SuperShuttle e o GO Airport Shuttle são boas opções) do JFK até Manhattan pelo transporte público. Ao sair da área de desembarque, siga as placas até o AirTrain, que liga o aeroporto ao subway por meros US$ 5. Vão mais US$ 2,75 pelo valor da passagem e US$ 1 pelo MetroCard – ou, se preferir, dá pra comprar já na hora o cartão ilimitado de uma semana por US$ 31, uma investida. São, no mínimo, US$ 21,25 de economia, num trajeto que vai ficar moleza agora. Veja aqui como ir do aeroporto JFK até Nova York de metrô.

LEIA TAMBÉM:  Rooftops de Nova York: veja os mais bacanas
Sites confiáveis pra ler resenhas de hotéis além do Trip Advisor
16 sites pra planejar sua viagem: a lista definitiva

Como ir do aeroporto JFK até Nova York de metrô:

LOWER MANHATTAN E SUL DO BROOKLYN

pegar o AirTrain até a Howard Beach Station e lá fazer a baldeação pra linha A do metrô.

Manhattan: só vale a pena fazer esse caminho até a altura da Canal St, em Downtown, acima disso opte pela segunda opção, pra Midtown e Upper Manhattan.

MIDTOWN E UPPER MANHATTAN + BRONX

pegar o AirTrain até a Jamaica Center e trocar pra linha E do metrô.

Upper East e Bronx: trocar para as linhas 4, 5 ou 6 na Lexington Ave.

Upper West e Harlem: trocar para as linhas B ou D na 7 Av.

QUEENS E BROOKLYN (com Williamsburg)

pegar o AirTrain até a Jamaica Center e de lá seguir para as linhas J ou Z do metrô.

Williamsburg: trocar pra linha L na estação Broadway Junction (essa linha também vai pra East e West Side de Manhattan, mas aí vale optar pelo caminho até Midtown).

Mapa do metrô de Nova York:

vintique_image-2 *O app Transit Tracker também te ajuda a traçar o itinerário rapidinho, mas precisa de Internet pra funcionar. Uma boa é pegar o percurso online e tirar um print screen da tela pra usar depois.

Como ir do aeroporto JFK até Nova York: como você fez?

Anna Laura

Jornalista por formação e fotógrafa por vocação, a editora do Carpe Mundi registra o mundo com sua Nikon desde que se entende por gente - e hoje cultiva um feed milimetricamente pensado. Passou pelas redações da CARAS Online e da Viagem e Turismo e, depois de uma temporada em Paris, resolveu ser viajante full time: você pode encontrá-la por aí, cobrindo paraísos tropicais.

1 comentário

Deixe seu comentário

voltar ao topo