Apesar de pequena, Cunha carrega nos seus arredores restaurantes de peso e uma gastronomia caseira com toques contemporâneos que vão ficar marcados durante sua viagem.

Somados às belíssimas vistas, os estabelecimentos foram agraciados com espaços amplos, bom atendimento e as mais diversas variedades de pratos, do porco na lata da roça às massas clássicas italianas. 

Confira aqui nossa seleção especial de onde comer em Cunha para aproveitar o almoço, café da tarde e a janta.

INDO PRA CUNHA? LEIA NOSSO GUIA PRA MONTAR SEU ROTEIRO AQUI!

LEIA MAIS: Tudo sobre as lavandas em Cunha (SP): quando, onde e por que ir visitar
Pousada Candeias: um refúgio rústico e serrano para se hospedar em Cunha

Onde comer em Cunha: almoço

O Olival

Estando em Cunha, é quase uma obrigação ir visitar o Olival e ver as oliveiras se desenvolvendo ao som da música clássica – segundo os técnicos, a música, na frequência e tons certos, pode entrar em ressonância com frequências de oscilação natural das folhas, eliminando o número de pragas e o risco de doenças. De todos os cantos é possível curtir a vibração dos instrumentos e, se a sua visita estiver agradando, continue por lá para o almoço. No restaurante estão disponíveis opções de porções e bebidas, mas também há o Menu Olival, que custa R$57 e inclui entradinha de Caldo de feijão, Salada de quinoa ou Ceviche de pupunha, o prato principal, que tem como recomendação o Risoto com pêra e gorgonzola, e a sobremesa: não deixe de pedir o Mousse de chocolate com azeite. Tudo é produzido artesanalmente, aproveitando produtos da propriedade ou de pequenos produtores da região. O almoço é oferecido das 12 às 16h.

Casa da Serra 

casa-da-serra-restaurante-cunha

No Casa da Serra o clima é mais rústico e familiar. Situado na beira da Estrada Real, sentido Paraty, é uma boa parada para ter uma refeição bem completa, com preço justo e em meio à natureza. Do lado de fora estão as mesinhas em madeira com vista para o jardim e pros pergolados bem floridos, já pra dentro, mesas maiores para famílias, fogão a lenha e espaço onde estão expostos produtos artesanais à venda como cerveja, doces e até cerâmica. O cardápio rotativo é exposto em uma lousa de parede e é dividido em quatro carros chefes: frutos do mar, massas artesanais, risotos e comidas típicas, sendo todos preparados respeitando a sazonalidade de cada ingrediente e com produtos 100% orgânicos.

casa-da-serra-cunha

De entrada, peça a Burrata (R$ 30), depois, siga para Truta defumada com risoto de limão siciliano (R$ 65), ou o Porco na lata servido com couve fresca, arroz e tutu de feijão (R$ 50).

VEJA TAMBÉM: 18 bate-voltas perto de São Paulo: programas de aventura, lazer e família
16 hotéis perto de São Paulo para o final de semana que são verdadeiros refúgios

Quebra Cangalha

quebra-cangalha-restaurante
quebra-cangalha-prato

Regado à tradição e receitas típicas mineiras que foram trazidas de geração em geração, o Quebra Cangalha trabalha há mais de 24 anos no ramo da gastronomia e agrada pelo ambiente acolhedor e arborizado, próximo ao centro de Cunha. Uma de suas premissas é valorizar a cidade, seja através da arte, quadros, joias e cerâmicas e até da própria culinária local – é por isso que tem no seu cardápio produtos como o shitake, a truta, o cordeiro, o pinhão e a amora, além da leitoa e do cordeiro, os principais carros-chefes. As refeições com gostinho caseiro são servidas no inconfundível sousplat azul e branco de cerâmica do Maurício. A nossa indicação é pelo Linguado grelhado com risoto de arroz vermelho e purê de banana da terra (R$ 68) ou uma massa fresca como o Fettuccine integral com rúcula e tomate seco (R$ 40). De sobremesa, pedir um pudim é uma boa.

Onde comer em Cunha: café da tarde

Tudo da Roça

tudo-da-roca
tudo-da-roca-cunha

Em Guaratinguetá, 20 km antes de chegar em Cunha, vale a parada no Tudo da Roça. Como uma boa surpresa no meio da estrada, o espaço é bem arrumado, com muitos biscoitos, doces caseiros, queijos, opções de café, pão de queijo e mais. Na área aberta tem cinco mesinhas de madeira com vista pro morro verde logo atrás. Na parte de dentro, quase um antiquário, com livros, artesanatos e onde também estão expostos os produtos alimentícios. Por lá, sempre tem algum cheirinho de uma nova fornada saindo, como um cookie de chocolate com um toque da roça: um “pedacin de queijo”. Peça um bom café expresso, ou, pra refrescar, um Affogato (R$ 12).

Fazenda Aracatu

fazenda-aracatu
fazenda-aracatu-cunha

Para uma boa sobremesa, vá à fazenda Aracatu, que fica no caminho para a Pedra da Macela. O estabelecimento fica na beira da estrada  e, apesar da fachada ser mais escondida, ao passar pelo deck de madeira é revelado um lindo antiquário com espaço para venda de vegetais orgânicos, café com estilo bem rústico com bolos e tortas caseiras e, principalmente, produtos derivados da vaca Jersey – opte pelo sorvete feito com o leite da vaca, as opções vão desde os clássicos, como chocolate e creme, até os mais exóticos, como o sorvete de Cambuci ou de Uvaia – 100 gramas = R$ 10. Ou ouse e peça uma torta quentinha de pinhão (R$ 12) pra acompanhar um café Nespresso.  

Obs: só aceitam cartões de débito ou transferência bancária online para pagamento.

Café Moara

Quem passa em frente à fachada do Café Moara, na beira da estrada, não imagina o quão lindo o local é por dentro. Além do fusquinha colorido, cheio de cores, a parte de fora não faz jus à parte de dentro e o jardim externo, onde são feitas as refeições. Com uma decoração vintage e bem colorida, o local é muito aconchegante para passar horas ouvindo os passarinhos cantarem enquanto você toma um bom café. E falando em café, não deixe de pedir o coado, que vem no filtro de pano bem charmoso (R$ 8). Para comer, grandes Pães de queijo recheados (R$ 17) que servem como uma refeição completa, além dos Brownies com leite condensado caseiro (R$ 18) e outras tortas doces. Fora isso, ainda há uma lojinha própria onde eles vendem quitutes pra levar pra casa. 

LEIA TAMBÉM: Turismo gastronômico pelo Brasil: viaje de Norte a Sul em pratos típicos
Turismo gastronômico pelo Brasil: viaje de Norte a Sul em pratos típicos

Onde comer em Cunha: jantar

Il Pumo

restaurante-il-pumo

O Il Pumo fica próximo à Igreja Matriz, dentro do Armazém Vô Léo, espaço que comporta três estabelecimentos: um lindo antiquário logo na entrada, uma cervejaria alemã com porções típicas (como o joelho de porco), e, claro, o Il Pumo. A proposta do espaço é trazer um pedacinho de Puglia até sua mesa, coisa que o chef taliano, Vito, faz com destreza, uma vez que é especialista na preparação de queijos, em especial burratas. Dito isso, se ainda tinha dúvida da entrada, agora já sabe o que pedir.

il-pumo-cunha
restaurante-il-pumo-cunha

Na Burrata, tomate orgânico, pimenta do reino, manjericão e um pão de fermentação natural acompanham a entrada. Se preferir algo que sustente mais, vá de Bruschetta e suas duas unidades com tomate, parmesão e molho balsâmico e outras duas com queijo scamorza e azeite trufado (R$ 32). De prato principal, não tem como errar nas massas super saborosas. Para uma verdadeira experiência italiana, vá nos clássicos: ou o Carbonara (R$ 46), ou o Tricolore (R$ 42). Se ainda tiver espaço para a sobremesa, peça o tradicional Tiramisú (R$ 18). O único porém é na hora de pagar a conta, uma vez que as bebidas são pagas com um garçom da cervejaria, e, os pratos, com outro, do restaurante. 

Veríssima Bistrô

Com um clima mais romântico, principalmente pela noite, quando o espaço é tomado por iluminação à luz de velas e música de ambiente clássica, o bistrô Veríssima é a pedida ideal para aproveitar pratos com sabores clássicos e uma pintada de requinte. O cardápio é mais enxuto, mas rotativo, com o intuito de sempre inovar e manter a qualidade dos produtos. No menu, conte com uma seleção fina de risotos, massas, carnes e peixes – fica a indicação para o Portafoglio de mignon recheado com queijo brie e acompanhamento de batata rosti (R$ 65). A decoração é bem clean e charmosa e com três ambientes para fazer as refeições, sendo dois numa configuração de tendas semifechadas e o outro em um deck ao ar livre.

Pietra Palma

É a viajante profissional e principal repórter do Carpe Mundi. Coleciona momentos e pedaços de seus caminhos pelo mundo através da escrita e em seus quase dois anos de blog já escreveu mais de uma centena de posts com dicas de viagens. Férias, feriados e finais de semana são sempre oportunidades para conhecer um novo lugar e acredita que uma boa viagem tem o poder de reanimar a alma, principalmente quando é pra um destino de natureza.

Deixe seu comentário

voltar ao topo