A cidade de Sukhothai, a 420 km de Bangkok e 300 km de Chiang Mai, guarda um fantástico sítio arqueológico relativamente fora do circuito mais turistão da Tailândia. Veja aqui como visitar.

LEIA TAMBÉM: Como ir de Chiang Mai, na Tailândia, a Luang Prabang
O que fazer em Chiang Mai, a segunda maior cidade da Tailândia
O que fazer em Bangkok: 21 programas imperdíveis
Onde fazer massagem tailandesa em Bangkok

Sua localização conveniente entre as duas principais cidades da Tailândia fazem do destino um ótimo local de parada pra quebrar a longa viagem de ônibus entre elas. O ideal é passar um dia inteiro lá, então durma uma ou duas noites dependendo do horário do seu ônibus. Se quiser estender o rolê pela região, passe uma ou duas noites na região do Si Satchanalai National Park, a 55 km de lá.

Conhecendo o parque histórico de Sukhothai: veja o que fazer em Sukhothai

Sukhothai foi um reino que prosperou entre os séculos 13 e 14, período comumente visto como auge da civilização tailandesa. As construções que restaram dessa época estão distribuídas por um sítio arqueológico de 45 km², o Sukhothai Historical Park, que pode ser visto como uma versão bem reduzida do Angkor Wat (o famoso complexo de templos do Camboja). Tem 21 ruínas dentro das muralhas e mais 70 outras dentro de um raio de 5 km do parque. Os hotéis fica nos arredores do parque e na cidade, New Sukhothai, a 13 km.

O parque tem um quadrilátero principal cercado por restos de uma muralha com resquícios de quando Sukhothai foi a primeira capital do Reino de Siam. Estabelecida no século 13, a dinastia de Sukhothai durou 200 anos e teve nove reis – o mais famoso deles foi o Rei Ramkhamhaeng, que desenvolveu os primeiros escritos na língua tailandesa e expandiu o reino para quase o território total da Tailândia hoje. No século 15, Sukhothai foi absorvida por Ayutthaya (um ótimo passeio bate-volta de Bangkok, aliás).

As ruínas de Ayuthaya (veja o roteiro completo aqui) são igualmente impressionantes, mas a área de Sukhothai é bem mais agradável. Enquanto na primeira elas ficam espalhadas pela cidade (e misturadas aos prédios e carros), em Sukhothai estão concentradas num lindo parque arborizado com lagos, pontes e caminhozinhos pra explorar. E, uma raridade na Tailândia: com poucos turistas, o que dá uma sensação de voltar no tempo mesmo (e não estar numa atração da Disney).

O melhor modo de cursar o parque é de bicicleta ou de bugue elétrico, porque as distâncias podem ser grandes. O ônibus (ou táxi) que vem da cidade te deixa em frente à portaria, onde há diversas lojas para alugá-los. O ingresso pra entrar custa 100 baht (cerca de US$ 2,60) – peça um mapa pra se situar entre os templos.

parque-sukhothai-chedi
parque-sukhothai-lago
parque-sukhothai-buda

A construção principal é o Wat Mahathat, antigo centro espiritual e administrativo da cidade, cheio de colunas, budas gigantes e 198 chedis (estruturas em forma de cone). Pedalando ao redor dele, você vai ver também o Wat Si Sawai, que tem torres em estilo Khmer (tipo as que você vê no Camboja) e o Wat Sa Si, com mais budas e chedis. Também vale entrar no Rakhaemhaeng National Museum para ver itens encontrados pela região.

Saindo do quadrado principal do parque, vale a pena ver o Wat Si Chum, com um pavilhão externo com um poderoso buda de 15 metros de altura onde o pessoal coloca oferendas sob uma revoada de pombos. Mais a frente fica o Wat Phra Phai Luang, isolado entre a vegetação. Quando a fome apertar, tem restaurantes pelo parque com os pratos de sempre (macarrão frito, arroz frito com frango) a preços ok. O prato típico de Sukhothai são os noodles kuaitiao.

Quem preferir ir com guia, veja os passeios da empresa Cycling Sykhothai, de um belga que mora na cidade há mais de 20 anos. Eles buscam no hotel e tem almoço incluso. O passeio de dia inteiro custa 990 baht (cerca de US$ 33). E quem ficar mais de um dia na cidade pode pensar em visitar o complexo de ruínas de de Si Satchanalai Historical Park, a 55 km de Sukhothai, que fica próximo do bonito Si Satchanalai National Park.

parque-sukhothai-tarde

Onde ficar em Sukhothai:

A cidade em si não tem nada demais, fora um mercado de rua e alguns restaurantes. Pelo preço baixo das hospedagens, em Sukhothai vale a pena ficar em um bom hotel com piscina (e spa, de preferência) perto do parque histórico, para descansar depois do passeio pelos templos e construções.

Pai Sukhothai Resort (desde US$ 23): Próximo à rua principal da New Sukhothai, é bom para quem quer pagar pouquinho, ficar em quartos honestos, ter café incluso na diária e até uma piscininha à disposição.

Thai Thai Sukhothai Resort (desde US$ 26): Pertinho do parque histórico, tem climinha bem típico tailandês, quartos confortáveis com varanda e um belo jardim com piscina.

BaanSuk Sukhothai Resort (desde US$ 47): Tem chalés com quarto e sala de estar ao redor de uma linda piscina com jardim. O hotel aluga bicicletas e prepara um farto café da manhã.

Sukhothai Treasure Resort & Spa (desde US$ 87): Para um grau a mais de conforto, esse hotel tem acomodações espaçosas, muitas com banheira de hidromassagem, uma piscina top, um restaurante e um spa.

Le Charme Sukhothai Historical Park (desde US$ 104; foto ao lado): A apenas 1 km do parque histórico, oferece massagens tailandesas e aluguel de bicicletas.  Alguns quartos ficam ao redor de um lindo laguinho com flores de lótus.

le-charme-hotel-sukhothai

Como ir a Sukothai:

De avião: A Bangkok Airways tem voo direto de Bangkok a Sukhothai. A viagem dura 1h15 e custa a partir de US$ 70.

De ônibus/van: Saem do Bangkok Northern Bus Terminal a cada 30 minutos entre às 7h e às 23h e custam entre 200 e 400 baht, dependendo da classe que você escolher. A viagem dura entre 6 e 7 horas. Pra quem sai de Chiang Mai, o ônibus parte da Arcade Bus Station e chega em cerca de 5h (por cerca de 300 baht).

Betina Neves

A jornalista é perita em traçar roteiros e vive na eterna busca pela passagem aérea mais barata. Escreve um e outro post por aqui enquanto explora o mundo dentro e fora de si. Pode ser encontrada em cachoeiras na Chapada dos Veadeiros, retiros budistas na Tailândia e montanhas na Califórnia.

11 comentários

Deixe seu comentário

voltar ao topo