peru


O que fazer em Lima: o roteiro essencial de 3 dias (com restaurantes!)

Você precisa de 2 ou 3 dias para curtir as atrações de Lima, principalmente porque há tantos restaurantes diferentes pra provar.

A gastronomia é grande paixão e orgulho nacional e ganhou destaque mundial nos últimos tempos. Mas tem também bons museus, igrejas coloniais, parques verdejantes e vista para o mar. Veja abaixo o que fazer em Lima.

lima-peru

DIA 1: O que fazer em Lima

Todo mundo fica hospedado em Miraflores, com razão. O bairro é imenso, seguro e agradável e guarda grande parte da vida hoteleira e gastronômica da cidade. O bonito Parque Kennedy, unido ao Parque Central de Miraflores, é o coração do lugar, com árvores em flor, lojas, feirinhas de artesanato e o carrinho de Dulces Limeños Anita. Há 20 anos na praça, Anita vende doces típicos, como mazamorra, um mingau doce, arroz con leche e suspiro à la limeña, com doce de leite e canela.

O que fazer em Lima: o Malecón é o calçadão de Miraflores, que margeia a falésia da praia. Seu parque mais gostoso é o Parque del Amor, conhecido por seu muro de mosaicos coloridos com frases de amor de poetas peruanos e uma escultura de um casal se beijando. Ali também está instalado o Shopping Larcomar, um centro de compras a céu aberto com lojinhas e restaurantes cuja melhor parte é o panorama cênico para o Pacífico (foto de capa). Pra um almoço “leve”, se acomode nas mesas simples do La Lucha, lugar dos melhores sanduíches da cidade.

LEIA MAIS SOBRE O PERU AQUI:

Peru: o que fazer no Vale Sagrado, Cusco e região

Como ir de Cusco a Machu Picchu: tudo que você precisa saber

NOITE: Hora de um jantar de alta gastronomia em Miraflores. Há muuuuitas opções, mas eu iria sem erro no Central, do chef Virgínio Martinez. Considerado o melhor da América Latina pela eleição da revista britânica Restaurant, exige reserva com antecedência. Ao entrar no salão, sem aviso na porta, você dá com uma cozinha industrial protegida por uma parede de vidro. Os pratos unem ingredientes de diferentes regiões do país, com folhas e flores da horta própria, e preparações inventivas. A refeição não deve passar de R$ 200 pra dois. Outra ideia é ir ao Rafael, um restaurante numa pequena construção na Calle San Martin com ambiente descontraído e quadros modernosos nas paredes. O chef Rafael Osterling também se aproveita de ingredientes do país, com peixes locais, pisco e grãos como quinoa e kiwicha.

lima-restaurante-central

DIA 2: O que fazer em Lima

Pegue um táxi para o melhor museu da cidade (que fica no meio do nada): o Museu Larco. Simplesmente genial para entender a sucessão de povos pré-colombianos.  Há joias, cerâmicas e uma curiosa coleção de objetos eróticos, reunidos numa linda mansão do século 18. É essencial para quem vai seguir a Cusco e Machu Picchu.

Dali, outro táxi leva ao Centro. Maior da América Latina em extensão, o coração histórico e comercial de Lima tem igrejas barrocas e algumas construções coloniais. Comece pela Plaza de Armas e entre na linda Catedral de Lima: inspirada na de Sevilha, é famosa por guardar o túmulo de Franscisco Pizzarro, o conquistador espanhol fundador da cidade. Veja também o Palacio Arzobispal, o barroco Palacio del Gobierno, e o Convento de San Francisco, com ossos e catacumbas.

catedral-lima

Vale entrar também na Casa de Aliaga. A casa ocupa um terreno dado em 1535 para Jeronimo de Aliaga, um dos seguidores de Pizarro, e foi habitada por 16 gerações de descendentes dele. Parece cenário de um filme de época, com cômodos imensos. Pelas ruas, repare nos balcones (varandas de madeira talhada, construídas no vice-reinado espanhol e só existentes no Peru) e os pátios internos de seus casarões – na rua Jirón Ucayali, eles não acabam mais. Para o almoço, fique no Cordano, o mais antigo bar da cidade, com 100 anos de funcionamento. A especialidade é o butifarra – um sanduíche feito com jamón del país (carne de porco), cebola roxa e salsa criolla.

O que fazer em Lima: no fim da tarde, visite o Parque de la Reserva: o local tem 13 fontes enormes, e todo dia às 19:15, 20:15 e 21:30 há um espetáculo musical de águas e luzes para assistir entre os bancos e gazebos.

Aí, mais duas sugestões de restaurante jantar em Miraflores: primeiro, o queridinho Pescados Capitales (foto), que além do nome ótimo prepara alguns dos melhores frutos do mar da cidade. Para curiosos gastronômicos, sugiro conhecer o La Picantería, de Hector Solis. Situado em uma casa com portas fechadas em Surquillo, bairro colado em Miraflores, é minimalista, com um barzinho pequeno, uma sala com duas mesas grandes (para compartilhar com outros convivas), um quadro-negro com o menu do dia e toalhas de plástico. Eles trazem o peixe do dia, você escolhe o tamanho e o modo de preparo e eles vêm são servidos inteiros.

LEIA TAMBÉM: 10 aplicativos pra viajantes preguiçosos

Férias sem fim: 9 maneiras de prolongar a viagem

DIA 3: O que fazer em Lima

Pegue um táxi até Barranco. Este bairro foi um refúgio de férias da alta sociedade limenha no passado, mas com o tempo se transformou num point boêmio e cultural, cujos antigos casarões foram revitalizados para dar lugar a restaurantes, bares e galerias de arte. O passeio pode começar no Mate – MATE Museo Mario Testino, inaugurado em 2012. O espaço é dedicado à obra do célebre fotógrafo peruano, com desde uma série de retratos de trajes típicos peruanos até clique do Brad Pitt e da Lady Di. Continue pela avenida do museu vendo grafites coloridos que vão surgindo até a Puente de los Suspiros, uma passarela pitoresca de 1876, que fica quase ao lado da Igreja Santíssima Cruz e de um mirante.

mate-lima

Chocolátras são atraídos ao Choco Museo, ali pertinho: o Peru é um gigante produtor de cacau e nesse espaço há workshops diários (às 13h30, 16h30 e 19h30) de duas horas nos quais você aprende a transformar os grãos em barras (de 15 sabores diferentes). Muito amor. Se não for o caso, caminhe direto até a Galeria Lucía de la Puente, a mais prestigiada galeria de arte contemporânea de Lima, e à Dédalo, uma loja de corredores labirínticos com trabalhos de mais de mil artistas locais (ótimo para ver algo diferente do festival de bolsas andinas e lhamas de pelúcia que tentam te vender constantemente em todo canto do país) – ficam praticamente de frente uma para outra.

O que fazer em Lima: não deixe o bairro sem adentrar o Canta Rana, escondido na Pasaje Genova (número 101). Trata-se, sim, de um boteco, com mesas e banquinhos desalinhados e toalha feita de antigos sacos de farinha; nas paredes, fotos de frequentadores famosos, recortes de jornais e revistas, bandeiras, faixas e fotos de jogadores e times de futebol. No cardápio, comida caseira peruana: tacu tacu, lomo saltado, ceviche, sudados, arroz com marisco e muito pescado.

Para um grau a mais de sofisticação, chegue junto no Ayahuasca. O bar/restaurante ocupa um antigo casarão do século 19 cujos cômodos são dividos entre vários ambientes. A decoração é uma salada de referências: vintage, místicas, étnicas, contemporâneas. Tem pisco sour e outros drinques mais criativos para beber e um manu farto de pratos e petiscos.

LEIA TAMBÉM: 10 séries na Netflix pra viajar junto

Onde ficar em Lima:

Backpacker’s Family Club (diárias a partir de US$ 11 em quarto coletivo e US$ 20 em privativo) – Numa casona antiga pintada em Miraflores, tem bar animado e camas confortáveis.

Miraflores Wasi Bed and Breakfast (diárias a partir de US$ 15 em quarto coletivo e US$ 30 em quarto privativo) – Simples, limpo, bem localizado, com staff atencioso.

3B Barranco’s (diárias a partir de US$ 66) – B&B com certo estilo e quartos novinhos e confortáveis em Barranco, bairro bom pra ficar perto das coisinhas descoladas da cidade.

Tierra Viva Hotel Miraflores Larco (diárias a partir de US$ 120) – Cumpre seu papel de hotel econômico de rede, com atendimento eficiente, café da manhã farto (e incluso na diária), quartos limpos e localização excelente em Miraflores.

Quinta Miraflores Boutique Hotel (diárias a partir de US$ 150) – A ideia desse casarão antigo é se sentir parte de uma família da alta sociedade limenha dos anos 1950 em Miraflores, com móveis de época e café da manhã servido no quarto.

Hotel de Autor (diárias a partir de US$ 175) – Tudo é especial aqui: a arquitetura da casa, a decoração moderninha com artesanatos, o café bem servido, a localização (a três quarteirões do Malecón, em Miraflores).

VEJA NESTE LINK MAIS OPÇÕES DE BONS HOTÉIS EM LIMA

hotel-em-lima

A melhor época pra ir a Lima:


  1. JAN
    20°/26°

  2. FEV
    20°/27°

  3. MAR
    20°/26°

  4. ABR
    18°/25°

  5. MAI
    17°/22°

  6. JUN
    16°/21°

  7. JUL
    16°/19°

  8. AGO
    15°/19°

  9. SET
    15°/20°

  10. OUT
    16°/21°

  11. NOV
    19°/23°

  12. DEZ
    19°/24°

O clima é relativamente quente e úmido o ano todo. Os meses mais chuvosos são julho, agosto e setembro, mas se for conjugar Lima com Cusco e Machu Picchu é provável que você venha nessa época. A alta temporada é no verão, de dezembro a março, com tempo mais seco.

Há 4 comentários para “O que fazer em Lima: o roteiro essencial de 3 dias (com restaurantes!)

    1. Oi Clarissa! Você pode passear por Miraflores e Barranco e comer num restaurante legal. Se tiver interesse pode pegar um táxi até o Museu Larco, que eu acho o melhor do Peru, ou ao centro e o Parque das Fontes, dependendo do horário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *