PRESIDENTE FIGUEIREDO (AM)

Presidente Figueiredo é a terra das cachoeiras.

Numa das principais áreas de turismo ecológico no estado do Amazonas, a 2h de Manaus a cidade é considerada patrimônio natural pela riqueza de sua biodiversidade composta por uma grande quantidade de plantas, pássaros, animais, igarapés e formações rochosas, que no solo espesso da floresta no município, existem de monte. É essa sedimentação rochosa que favorece as cachoeiras por ali, que são mais de 150, além de lagoas azuis artificiais que ganharam fama pelas fotos turquesa perfeitas para as redes sociais.

COMO IR DE MANAUAS A PRESIDENTE FIGUEIREDO:

Presidente Figueiredo está a 2 horas de Manaus, 120 km, seguindo pela BR-174. Dá pra alugar um carro na capital amazonense e fazer o trajeto por conta – cote seu aluguel de carro em Manaus aqui com a RentCars (a partir de R$ 115 por dia). Quem vai por conta pode contratar um guia de turismo no CAT (Centro de Atendimento ao Turista), localizado no centro da cidade (mais informações: 92/99385-4893). Outra opção é fechar com uma agência receptiva – eu fiz o tour de um dia com o Juma Ópera, já que estava hospedada no hotel em Manaus – e quem fica no Juma Amazon Lodge, na selva, também pode usar o serviço receptivo da rede pra organizar seu tour à Figueiredo. Infraestrutura, guia e planejamento são os melhores, dando para personalizar o bate-volta de acordo com os passeios que você preferir.

LEIA TAMBÉM: Onde ficar em Manaus: 5 hotéis selecionados na capital da Amazônia

QUANTO TEMPO FICAR EM PRESIDENTE FIGUEIREDO:

O mais comum é fazer passeio de bate-volta desde Manaus, em que dá pra visitar, no máximo, três ou quatro atrativos no mesmo dia. Fica mais difícil para atrações mais distantes como as lagoas azuis e a Cachoeira da Pedra Furada, da Neblina e do Mutum (eu fiquei morrendo de vontade de voltar para explorar melhor as lagoas). Pra quem quer ficar sem correria no destino e visitar direitinho o melhor que Presidente Figueiredo tem a oferecer, o ideal é ficar pelo menos dois dias inteiros por lá.

+ ONDE DORMIR EM PRESIDENTE FIGUEIREDO: Espere por hotéis “nada demais” em Figueiredo. Ficar numa pousadinha simples, com conforto, é o padrão da cidade. A Pousada Aldeia Mari-Mari (diárias desde R$ 190) tem casinhas de madeira rústica que seguem um estilo hotel de selva, bem arrumada e com espaços comuns e jardins charmosos.

onde-ficar-presidente-figueiredo

QUANDO IR PARA PRESIDENTE FIGUEIREDO:

A melhor época para curtir as cachoeiras de Presidente Figueiredo é no “verão”, período sem chuvas, que vai de junho a novembro. As cachoeiras estão cheias, mas num volume de água seguro, e a mata mais verde. O turismo, também, fica mais forte. Mas, independente da época em que você for à Figueiredo, quedas d’água para visitar não vão faltar – as cachoeiras nunca secam ou fecham -, ou seja, a verdade é que dá pra ir a Figueiredo em qualquer momento do ano. Já as lagoas azuis têm seu tom mais azulado de fevereiro a agosto. Em tempo: a cidade de Presidente Figueiredo é bastante visitada pelos manauaras (habitantes de Manaus) nos fins de semana. Por isso, se puder, agende sua visita durante a semana pra pegar menos movimento.

Presidente Figueiredo: paraíso das cachoeiras e lagoas azuis na Amazônia

LEIA TAMBÉM: Quando ir para a Amazônia: explorando a selva nas estações da seca e cheia

Hotel de selva na Amazônia: um FAQ completo sobre a experiência

O que levar na mala para a Amazônia: roupas de aventura para explorar a floresta

CACHOEIRAS EM PRESIDENTE FIGUEIREDO

Presidente Figueiredo tem mais de 150 cachoeiras  (49 catalogadas, sete corredeiras, nove cavernas e grutas). Abaixo, selecionamos as sete cachoeiras e grutas com quedas d’água mais interessantes para você visitar no destino, com dicas práticas.

Gruta da Judeia + Caverna do Maroaga

Essas são as principais atrações de Presidente Figueiredo, as mais fotogênicas, mais procuradas, mais impressionantes, juntando grutas e cachoeiras num mesmo percurso. Dentro de uma área de proteção ambiental, tem limite de 60 visitantes por dia e só pode ser visitada com guia. A trilha de 2,5 km é de nível moderada, circular e fechada, e, pra fazer tudo, com calma, leva-se de 2 a 3 horas. A Caverna do Maroaga possui mais de 400 metros de túneis e galerias (mas só é permitido conhecer o início) com uma queda d’água de 30 metros pra se refrescar após a caminhada. Dando a volta pelo imponente paredão rochoso, chega-se à Gruta da Judeia, onde a água que despenca do alto de uma fissura no paredão é acompanhada por raízes e cipós pendurados, formando uma piscininha de águas alaranjadas para banho, com solo preenchido por uma fininha areia branca resultante do desgaste das paredes rochosa.

qual-a-melhor-epoca-para-viajar-amazonia
mala-de-viagem-amazonia
cachoeira-do-mutum-amazonia

PRESIDENTE FIGUEIREDO (AM)

Cachoeira do Mutum

No final do verão e época de seca, de novembro a janeiro, poços d’água formam lindas piscininhas redondas, verdadeiras jacuzzis na natureza, em que dá pra boiar dentro, mergulhar, relaxar. Pra quem viaja com drone, então, a foto fica fantástica. Mais abaixo há uma queda d’água e uma prainha, mas especial mesmo no Mutum é o cenário das piscininhas. São 6 km de trilha até o local.

Em tempo: em outra época do ano, como o mês de julho, a cachoeira fica muito cheia e não é possível encontrar os poços redondos – tudo fica encoberto. Melhor repensar a visita.

Cachoeira da Neblina

Maior cachoeira da região, com quase 30 metros de altura, mas com o empecilho do acesso mais difícil, em mata fechada, enfrentando 7 km de trilha. Porém, é uma caminhada pra ser apreciada: são diversos tons de verdes em árvores e belezas da mata pra curtir ao canto do som dos pássaros – passando por árvores com mais de 45 metros de altura durante o trajeto. Ao todo, são 4 horas pra ir e voltar (sem muito tempo em Figueiredo, minha dica é de que não vale a visita). É necessário contratar um guia no Centro de Atendimento ao Turista (CAT).

cachoeira-da-neblina-presidente-figueiredo
cachoeira-santuario-presidente-figueiredo-amazonas

PRESIDENTE FIGUEIREDO (AM)

Cachoeira Santuário

Dentro de uma Unidade de Conservação, tem três cachoeiras bem lindas, a maior com 15 metros de altura, onde se misturam quedas e corredeiras entre rochas e raízes. Uma de suas piscinas naturais de água alaranjada devido às folhas que se acumulam no solo, pode ser acessada por um trampolim. O nome tem relação com a figura da santa que fica posicionada atrás do véu de água da cachoeira principal. O acesso mais fácil tem 400 metros, com trechos sobre uma passarela de madeira. Possui boa infraestrutura como estacionamento, banheiros e bar e restaurante com petiscos.

LEIA MAIS: Airbnb na Amazônia: 11 opçõs de casas pra se hospedar na floresta

Cachoeira da Pedra Furada

De todas, é a cachoeira mais distante do circuito turístico clássico em Figueiredo, mas também uma das que tem a paisagem mais recompensadora. Furos na rocha fazem com que a cachoeira se pareça com uma imensa ducha ao ar livre. Uma piscina natural se forma em frente, rasinha, ideal pra ficar curtindo o local. Por causa do solo de areia, a água é clarinha. Da entrada à cachoeira são menos de cinco minutos de trilha pra caminhar.

presidente-figueiredo-cachoeira-pedra-furada

PRESIDENTE FIGUEIREDO (AM)

+ Cachoeira da Onça

+ Cachoeira Iracema e das Araras

+ Cachoeira Asframa

+ Corredeira do Urubuí

Não são cachoeiras tão interessantes como as de cima, com quedas menores, água mais terrosa e sem a beleza natural das já citadas. Mas vale mencioná-las aqui para quem tem dúvida se vale a visita. Minha opinião: divida seu tempo entre as cachoeiras mais famosas e as lagoas azuis abaixo, atrativos que realmente justificam a locomoção para Presidente Figueiredo na viagem ao Amazonas.

LAGOAS AZUIS EM PRESIDENTE FIGUEIREDO

Depois de ganhar fama no Instagram pelo tom azulado de suas águas, a Lagoa Azul, que tem essa coloração por conta das águas do Aquífero das Guianas, que deságuam ali, ganhou novas infraestruturas. Tanto que, hoje em dia, são três as divisões da lagoa para visitar e aproveitar as águas quentinhas de tom turquesa. De fevereiro a agosto é a melhor época pra visitar, com água azul mais limpa. Em outros meses do ano, o tom da água pode ficar bem esverdeado.

PRESIDENTE FIGUEIREDO (AM)

Lagoa Azul do Maranhão

Dentro da propriedade do seu Maranhão, por isso leva esse nome, essa Lagoa Azul mais rústica com essa tonalidade por causa da argila e calcário do solo, chama a atenção por seu tamanho e formato fotogênico, fora que tem um fervedouro (sim, um fervedouro no meio do Amazonas!) escondido a poucos metros de distância, além de uma queda d’água pequeninha e igualmente charmosa pra aproveitar – e fotografar. Se for pra escolher só uma lagoa pra visitar e estiver buscando beleza natural com menos intervenção humana, a Lagoa Azul do Maranhão é a pedida. São R$ 20 para acessar o local.

lagoa-azul-do-maranhao-presidente-figueiredo

Lagoa Azul Park

De todos os pontos pra aproveitar a Lagoa Azul, esse é o melhor estruturado, mais conhecido e mais visitado. Isso porque sua infraestrutura é, além da maior, a mais superior, estilo um balneário: ao redor da lagoa foi construído um deck de madeira, facilitando o acesso à água. Na parte mais alta fica um restaurante rústico que serve pratos regionais. No parte mais baixa funciona um bar, que serve bebidas como cerveja, sucos e coco gelado. Uma canoa rústica de madeira ficou famosa para fazer fotos navegando ali, mas saiba que o local fica facilmente lotado e perde essa vibe paradisíaca. Paga-se R$ 10 para ter acesso ao parque.

lagoa-azul-presidente-figueiredo
lagoa-azul-jungle-amazonia

PRESIDENTE FIGUEIREDO (AM)

Lagoa Azul Jungle

Das três lagoas, é a menos conhecida, um verdadeiro paraisinho que, se der sorte na visita, fica privado, só pra você. Disputa com a Lagoa Azul do Maranhão o posto de mais fotogênica, mas diferentemente da outra, tem só a lagoinha – e mais nada, além do deck com bancos de madeira. Minha opinião: se der tempo, após a visita a alguma das duas acima, dê um pulo lá pra tirar a dúvida, fazer alguns cliques e formar, então, seu top 3 de lagoas azuis de Presidente Figueiredo. Preço da visita: R$ 10 por pessoa.

Anna Laura

Jornalista por formação e fotógrafa por vocação, a editora do Carpe Mundi registra o mundo com sua Nikon desde que se entende por gente - e hoje cultiva um feed milimetricamente pensado. Passou pelas redações da CARAS Online e da Viagem e Turismo e, depois de uma temporada em Paris, resolveu ser viajante full time: você pode encontrá-la por aí, cobrindo paraísos tropicais.

Deixe seu comentário

voltar ao topo