Para viver a melhor experiência em Cartagena, você tem que ficar no Centro Histórico.

ONDE FICAR EM CARTAGENA

Só dormindo nos lindos casarões históricos de paredes vibrantes e pátios recônditos pra entender a vibe da cidade colonial mais lindinha das Américas.

11 lindos hotéis no Centro de Cartagena:

Hotel Casa Alpha (diárias a partir de US$ 55): Baratíssimo, simplinho, mas simpático, com quartos com paredes charmosas de tijolos, um pátio interno com piso de ladrilhos hidráulicos e uma jacuzzi. (RESERVE AQUI!)

Casa India Catalina (diárias a partir de US$ 51): Bom café da manhã, piscina providencial para o calor num pátio lindinho, staff atencioso, limpeza bem-feita. Só prepare-se para subir muita escada. (RESERVE AQUI!)

Delirio Hotel (diárias a partir de US$ 100): Os quartos são bonitinhos, com grandes fotografias em preto e branco atrás da cabeceira da cama. Não há piscina, mas um terraço com espreguiçadeiras e uma vista linda da cúpula cartão-postal da cidade. (RESERVE AQUI!)

delirio-hotel-cartagena

Alfiz Hotel (diárias a partir de US$ 120): Os móveis e ornamentos do lindo casarão branco colorido por flores na varanda são todos de época. Suas oito suítes são diferentes entre si, cada uma celebrando um período histórico da cidade. Há piscina. (RESERVE AQUI!)

alfiz-hotel-cartagena

Amarla Hotel (diárias desde US$ 166): A dúvida é se é o pátio interno com chão de ladrilho preto e branco e o verde das plantas, o terraço com uma das melhores vistas da linda cúpula da Igreja de São Pedro Claver ou os aconchegantes quartos que encantam mais no hotel, que funciona como uma propriedade familiar onde o serviço é dez. (RESERVE AQUI!)

Casa Pestagua (diárias a partir de US$ 230): Uma mansão colonial marcada por um bonito pátio de cor laranja e um jardim vertical é a base do bonito hotel-boutique, com duas piscinas (uma no terraço com vista), spa, bar e restaurante e 11 quartos gigantescos. Tem selo Relais & Châteaux. (RESERVE AQUI!)

Hotel Casa San Agustín (diárias desde US$ 350): O casarão do século 17 projetado em torno de um aqueduto de 300 anos é um verdadeiro refúgio de tranquilidade no coração do Centro Histórico. A piscina climatizada no fotogênico pátio, a água aromatizada disponibilizada com frutas por todo o hotel, as bikes pra explorar a cidade, o cheirinho de frescor dos quartos, tudo é um must. O delicioso restaurante ALMA vale a parada para uma refeição. (RESERVE AQUI!)

san-agustin

hotelcasasanagustin

Sofitel Legend Santa Clara (diárias desde US$ 332): É o maior e mais próximo do estilo resortão dos hotéis citados no post, funcionando no interior de um antigo convento do século 17 que foi cenário do livro Do Amor e Outros Demônios, de Gabriel García Marquez, o Gabo, talvez a personalidade mais importante da cidade. Estrutura e quartos de luxo, apesar de não entregarem a vibe intimista da maioria dos hotéis do Centro Histórico. (RESERVE AQUI!)

Hotel Quadrifolio (diárias a partir de US$ 211): Um hotel-boutique pequeno e intimista, com atendimento atencioso. A decoração preserva detalhes da construção colonial com alguns toques de modernidade. Os quartos, com no mínimo 40 m², têm cama king-size. O café da manhã é muito elogiado. (RESERVE AQUI!)

Anandá Hotel Boutique (diárias a partir de US$ 232): O terraço lindo de morrer com day beds cobertas por dosséis e piscina, o pátio interno onde são servidas as refeições, os confortáveis quartos que ganham charme a mais pelo teto de madeira: tudo é lindo e digno de um estabelecimento chiquetoso. (RESERVE AQUI!)

Hotel Charleston Santa Teresa (diárias desde US$ 212): Sua escada em caracol na lateral do pátio amarelo com plantas pendentes, onde funciona o restaurante Harrys’ Bar, ficou conhecida através das várias fotos do local disseminadas pelo Instagram. Quase no limite das muralhas, o hotel está localizado num imponente edifício de tons laranjas e amarelados marcado por uma agradável praça em sua frente, onde está outro de seus restaurante: o Plaza Santa Teresa, de comida típica. (RESERVE AQUI!)

hotel-charleston-santa-teresa

Anna Laura

Jornalista por formação e fotógrafa por vocação, a editora do Carpe Mundi registra o mundo com sua Nikon desde que se entende por gente - e hoje cultiva um feed milimetricamente pensado. Passou pelas redações da CARAS Online e da Viagem e Turismo e, depois de uma temporada em Paris, resolveu ser viajante full time: você pode encontrá-la por aí, cobrindo paraísos tropicais.

1 comentário

Deixe seu comentário

voltar ao topo