israel


20 perguntas e respostas com tudo o que você precisa saber sobre a viagem a Israel

No mapa, Israel representa só uma faixinha de terra espremida por países muito maiores do Oriente Médio. Mas esse pequeno destino guarda uma bela coleção de atrativos, com praias cênicas, cidades pulsantes e paisagens naturais com reservas verdes e desertos, tudo permeado por sua história riquíssima.

LEIA MAIS SOBRE ISRAEL: Um giro por Tel Aviv, cidade mais pulsante do país

3 cidades pra você incluir no seu roteiro por Israel
Como explorar Jerusalém: dicas imperdíveis

Como é a experiência de boiar no Mar Morto

É um país que, em algum momento da vida, todo mundo deveria conhecer (e não necessariamente numa viagem de busca espiritual/religiosa).

DÚVIDAS ISRAEL: veja aqui 20 perguntas e respostas com tudo o que você precisa saber e entender antes de viajar a Israel

DÚVIDAS ISRAEL

LOCALIZAÇÃO E SEGURANÇA

Localizado no Oriente Médio, uma porção complicada do mundo onde reina a língua árabe e a religião muçulmana, Israel é a única democracia da região e o único destino onde se fala hebraico e pratica-se o judaísmo. Aí dá pra começar a entender o problema.

1) É perigoso ir a Israel?

CONFLITOS ORIENTE MÉDIO: Israel faz fronteira com a Síria, hoje um dos lugares mais perigosos para se estar do mundo, que vive guerras internas dilaceradoras. Das Colinas do Golã, ao lado do Mar da Galileia, você até consegue escutar bombas à distância. Mas o perigo acaba exatamente ali, na fronteira. Pra se ter uma ideia, a Galileia é uma das áreas mais turísticas de Israel e existem inclusive tours regulares pra conhecer as bíblicas Colinas do Golã. A conflituosa Faixa de Gaza é outra questão complicada, mas é controlada por Israel e fica isolada num local sem nada relevante por perto, por onde você obviamente não vai passar. A Cisjordânia é de controle da autoridade palestina, mas turistas podem ir e vir sem problemas – Belém inclusive fica ali. Israel vive relativamente em paz com a Jordânia e o Egito, que mantêm algumas fronteiras abertas aos turistas. Por fim, a divisa com o Líbano, com quem Israel não mantém relações, é permanente fechada por muros.

SEGURANÇA INTERNA: Nem os seus tênis serão roubados se você deixá-los descuidados na calçada. A taxa de crimes em Israel é praticamente inexistente.

ATAQUES TERRORISTAS: Sempre há essa ameaça. Em janeiro deste ano, um motorista de caminhão palestino acelerou em direção a um grupo de 45 soldados israelenses em Jerusalém matando 4 e ferindo 17. Mas isso não deve te impedir de visitar Israel: convenhamos, a gente mora num país violentíssimo. E hoje tem ameaça terrorista até na França, por exemplo.

2) E os jovens que andam armados?

Em Israel o serviço militar é obrigatório tanto pra homens como pra mulheres. E pra eles, nesse período, a arma é a coisa mais sagrada do mundo, e não pode ser deixada sozinha em nenhuma circunstância. O resultado são jovens indo até pra balada com aquela arma enorme nas costas (mas que andam sempre descarregadas, ufa). É estranho e um pouco assustador no começo, mas depois você se acostuma.

3) Por que Israel não carimba os passaportes?

Dúvidas Israel: quando você entra em Israel você recebe gratuitamente uma espécie de mini ID, um visto impresso, que não é colado no seu passaporte e que você deve guardar até o fim da viagem. Como Israel não mantém relações com a maioria dos países do Oriente Médio seria prejudicial aos turistas que visitam o país que tivessem seus passaportes carimbados – poderiam ter problemas pra entrar em outros destinos da região depois. Vice-versa não há problema: Israel não vai barrar ninguém que visitou Dubai recentemente, por exemplo.

4) A saída de Israel é de fato tão ruim quanto dizem?

Israel é um dos únicos lugares do mundo em que a saída do país é mais chatinha que a entrada. Pra te liberarem você precisa passar por um interrogatório parecido com o de chegada nos Estados Unidos e uma inspeção minuciosa nas bagagens. Mas também é só isso, nada de complicado se você for claro e direto. É bom chegar no aeroporto com no mínimo 3 horas de antecedência para o processo não te atrasar pra pegar o voo.

5) Qual o melhor jeito e quanto custa voar a Israel?

Pra quem quer economizar, vá com a Ethiopian Airlines, com escala em Adis Abeba, na Etiópia: você consegue pagar cerca de US$ 700 na passagem. O ruim é que a conexão é noturna e normalmente é preciso esperar um tempão no aeroporto não tão bom de Adis Abeba. Depois, a Alitalia costuma ter tarifas até que boas, desde US$ 900, e faz conexões rápidas em Roma. São cerca de 11 horas até Roma e 4 até Israel. Também dá pra ir com a Air France desde US$ 1 200, com a British Airways desde US$ 1 200 e com a Lufthansa desde US$ 1 000.

FUSO HORÁRIO: +5h do Brasil

promenade-tel-aviv

DÚVIDAS ISRAEL

MOEDA E IDIOMA

A moeda utilizada em Israel é o Novo Shekel Israelense, chamado apenas de “shekel” e com a sigla NIS (1 shekel = R$ 0,8). Os idiomas oficiais de Israel são o hebraico e o árabe, mas você não terá problemas com o inglês.

6) Viajar pra Israel é caro?

Não é dos destinos mais baratos. Só vale a pena comprar itens locais, como artesanatos a souvenirs, especialmente nos mercadões. Lojas de grife, esqueça, você vai pagar muito caro. Comer também não é algo em conta: almoçar em um bufê tipo bandejão em Massada, fortaleza perto do Mar Morto, custa cerca de R$ 70. Em restaurantes à la carte, você deve gastar entre R$ 50 e R$ 100 por refeição. Pra aliviar, há comida de rua tipo falafel baratinha. Contratar guia particular também pode ficar caro, já que os preços são cobrados em dólares. Se for essa a ideia e você quiser economizar, opte por excursões em grupo (veja empresas de tours na pergunta 19).

7) Dá mesmo pra confiar só no inglês?

Dúvidas Israel: sim, perfeitamente. Placas de trânsito, lojas, pontos turísticos, cardápios e o que for estão em inglês.

DÚVIDAS ISRAEL

MELHOR ÉPOCA, CLIMA E VESTUÁRIO

O Oriente Médio fica numa região de desertos em que faz muito calor quase o tempo todo. Mas no inverno (de dezembro a fevereiro) pode fazer frio, especialmente de noite – espere por algo em torno dos 14 graus.

8) Qual é a melhor época pra ir a Israel?

Israel é seco e quente no verão e úmido com temperaturas amenas no inverno. A melhor época vai de fevereiro a maio e setembro a novembro, meses com temperaturas não tão quentes e sem o frio e a chuva do inverno de Jerusalém. Israel vive dentro de um turbilhão religioso e recebe de judeus a católicos e muçulmanos, por isso alguns períodos e feriados podem tornar o país mais caótico. Evite, em especial, a Semana Santa e o Natal.

9) É preciso cobrir ombros e joelhos na vista a lugares sagrados?

Dúvidas Israel: sim. Para as mulheres, a melhor solução nos dias de passeios que prevêem igrejas é levar um lenço pra cobrir o decote e colocar nos ombros e ir com uma saia maiorzinha que cubra os joelhos. Mas, ao contrário de outros destinos do Oriente Médio como os Emirados Árabes Unidos, ninguém vai te olhar feio se você estiver usando uma minissaia e uma regata fora dos pontos sagrados. Também não fique encarando os judeus ortodoxos todos de roupas compridas pretas.

roteiro-jerusalem

DÚVIDAS ISRAEL

INFRAESTRUTURA TURÍSTICA

O país conta com hotéis confortáveis, mas boa parte deles, principalmente fora de Jerusalém, precisa de reforma e não atende a um mercado de superluxo. Também existem as estadias em kibbutz, comunidades israelenses que funcionam como minicidades. Não há um jeito de conhecer todo o país só com transporte público, então procure dividir deslocamentos entre carro alugado se for ao norte do país e uma e outra excursão ao Mar Morto, por exemplo.

10) O que são os kibbutz?

Kibbutz são espécies de comunidades que guardam minicidades, com mercado, clínica médica e até escola dentro dependendo do tamanho, que começaram como assentamentos agrícolas e hoje têm outras atividades econômicas independentes. A ideia de se hospedar num dos 280 kibbutz de Israel é conhecer melhor essa cultura e ter um fácil acesso pela região – na Galileia, por exemplo, não há oferta de hotéis “no meio do nada” como há de kibbutz, o que te deixa mais perto dos pontos a serem visitados.

11) Como funciona o shabat e como isso afeta o turismo?

Dúvidas Israel: o shabat é o dia de descanso semanal do judaísmo, equivalente ao nosso domingo, mas com regras como não mexer em eletrônicos, cozinhar ou trabalhar. Vai de sexta a partir do pôr do sol até o anoitecer de sábado, o que faz o segunda a sexta israelense ser de domingo a quinta e o final de semana de sexta e sábado. Na prática, acaba atrapalhando situações como o café da manhã dos hotéis aos sábados, que ficam sem nada fresco – os ovos mexidos, sucos e afins são preparados no dia anterior -, e o comércio em geral, que fecha sexta no início da tarde e só retorna no sábado de noite.

12) Todos os restaurantes de Israel são kosher?

A cozinha kosher, que segue a lei da religião judaica, determina que carne e laticínios não podem ser misturados em uma mesma refeição, enquanto porco e frutos do mar estão proibidos e peixes somente podem ser consumidos se possuírem barbatanas e escamas. Nem todos os restaurante de Israel são kosher, mas a melhor dica pra comer bem no país é imergir nessa cultura e provar as delícias da culinária local. Em Jerusalém, por exemplo, um dos melhores endereços pra comer é o Eucalyptus, do iraquiano Moshe Basson. O menu é inspirado na Bíblia, com uma e outra alteraçãozinha de acordo com as ervas e cogumelos que o chef colhe durante as viagens pela região.

LEIA TAMBÉM: O que fazer na região do Mar Morto

DÚVIDAS ISRAEL

ROTEIROS E VIAGENS RELIGIOSAS

Como dito, não dá pra viajar de sul a norte de Israel só contando com o transporte público. O carro também nem sempre é a melhor opção, uma vez que pra chegar no Mar Morto é necessário passar pelo território da Cisjordânia e sem um guia ou motorista israelense no carro isso pode ser não tão simples. Pra quem não vai em excursão religiosa e quer mesmo conhecer os diferentes cenários de Israel, o ideal é mesclar a viagem entre carro alugado pra se locomover na Galileia, tours de um dia ao Mar Morto e algum transfer até Eilat. Com grana sobrando, contrate um guia com carro (melhor ainda, um que fale português) que te acompanhe durante toda a viagem. Se a sua ideia for fazer uma viagem de fé o melhor é fechar tudo com alguma empresa já do Brasil.

13) Em uma semana, qual é o melhor roteiro de viagem por Israel?

Dúvidas Israel: uma semana é corrido, mas dá pra focar em conhecer bem Jerusalém, Tel Aviv e fazer uma excursão de um dia ou uma noite ao Mar Morto.

14) Dá pra fazer um (ou mais de um) bate-volta a Jerusalém desde Tel Aviv e vice-versa?

Sim, as duas cidades são próximas, estão a apenas 40 minutos uma da outra, mas não é o recomendado. Tel Aviv tem uma vibe praiana especial que merece ser conferida, e em Jerusalém é legal ter tempo pra ir caminhando do seu hotel até a Cidade Velha, por exemplo. Durma nas duas e as conheça com propriedade.

15) Quanto tempo é necessário pra conhecer o país todo? E pra onde ir?

Duas semanas são um tempo bom, contando já com ida e vinda desde o Brasil. Você pode começar a viagem por Tel Aviv e ficar lá 3 dias, seguir pra Jerusalém por mais 3 dias, fazer a Galileia e as cidades de Akko, Haifa e Safed em outros 2 dias, a região do Mar Morto em 2 dias e Eilat em mais 2 dias.

16) É preciso dormir no Mar Morto?

Não, mas é bem legal, porque você pode assistir sem pressa o nascer e o pôr do sol no local e embarcar em outros tours pela região, como a Massada, antiga fortaleza no topo das montanhas, o Deserto da Judeia de 4×4 e a reserva natural Ein Gedi. Leia mais sobre eles aqui.

LEIA SOBRE A EXPERIÊNCIA DE BOIAR NO MAR MORTO AQUI

17) Dá pra juntar Israel e Jordânia numa única viagem? E o Egito?

Dúvidas Israel: sim, e é bem comum. Dá pra fazer bate-voltas ou dormir uma noite em Petra e voltar com a Abraham Tours e a Petra from Israel ou seguir viajar pela Jordânia e emendar com outros países árabes. Sozinho não é uma boa, pode ficar complicado na fronteira. A menos problemática delas fica ao sul, em Eilat. É dali que a maioria dos tours ao Egito, que também são viáveis em um ou dois dias, partem. Veja com a Tourist Israel, que também faz Jordânia.

18) Pra quem vale a pena embarcar numa excursão religiosa?

Pra quem é religioso e tem como meta uma viagem bem de fé, além de querer acompanhar um grupo fechado. Em outra vibe é melhor ir por conta e participar de passeios religiosos de um dia por Nazaré, Belém, Jerusalém e a Galileia.

19) Com que empresas embarcar em tours de um dia por Israel?

Além da Abraham Tours, presente em todo o país, a Artzeinu faz o Mar Morto, Massada e Ein Gedi no mesmo dia, a Eg’ged Tours tem mais de 9 tipos de passeios diferentes pela região do Mar Morto e um de um dia por toda a religiosidade da Galileia e a Kfar Hanokdim tem tours no deserto, passeios da camelos e tendas beduínas no Deserto da Judeia. A Shalom Holy Tours também tem opções religiosas e a Tourist Israel cobre quase todos os passeios.

20) Vale a pena contratar guia?

Se você tiver dinheiro pra investir nisso, sim. Melhor ainda se o guia falar português e tiver licença pra dirigir. Os pontos turísticos religiosos são bem confusos, muitos sem placas ou sinalizações, o que torna difícil conhecê-los sozinho na Galileia, por exemplo. Ou mesmo em Jerusalém, que apesar de toda a infra, tem ruelas em sua Cidade Velha onde ficam locais sagrados que nem aparecem no Google Maps. Um guia te poupa desse planejamento e dor de cabeça. Por outro lado, é o jeito mais caro de viajar pelo país, já que você precisa bancar sua hospedagem fora de sua base. A melhor opção seria ir com um guia pra Galileia e pegar um guia pra conhecer a Cidade Velha de Jerusalém um dia e depois ir por conta. Pro Mar Morto e os outros destinos não há necessidade de um guia privado, dá pra fazer com excursões com empresas locais.

*O Carpe Mundi fez todos os passeios em Israel com a guia brasileira Aline, que conhece o país como ninguém e faz explicações rápidas e precisas em português, sem enrolação. Pra entrar em contato com ela: alinetourism@gmail.com ou @alineguiaemisrael no Instagram. Em tempo: não é a opção mais barata.

eilat

Dúvidas Israel: alguma explicação faltando? Deixe sua pergunta aqui nos comentários 🙂

*O Carpe Mundi viajou a Israel à convite do Ministério do Turismo de Israel. O conteúdo relatado aqui reflete apenas a opinião independente da autora.

Há 39 comentários para “20 perguntas e respostas com tudo o que você precisa saber sobre a viagem a Israel

  1. Minha segunda viagem a Israel com o guia Jayme Fucs Bar.
    Conhecimento, diversão, gentileza e uma verdadeira e agradável aula de história.
    A viagem não seria a mesma sem ele.
    Fui com mais 5 pessoas. O preço foi ótimo, tivemos atenção exclusiva e carro fornecido por ele.
    Recomendo pra qualquer idade ou religião.
    Vale muuuito a pena!

  2. Fui para Israel, com turismo religioso, foi muito…muito bom! Essas vinte informações são verdadeiras e muito boas! Vou voltar à Israel. ..É muito lindo, maravilhoso !!

    1. Olá bom dia eu vou de viagem a Israel desembarco no aeroporto de eilat mas tenho hotel em Egipto como tenho que fazer ? O passaporte precisa de visto tenho que pagar alguma coisa para passar a fronteira ? Obrigado

  3. Como faço para ter a foto do mapa da Palestina até 1948? gostaria de saber o nome de todas as cidades e aldeias que judeus invadiram e infelizmente tiveram outros propósitos para expulsar os Palestinos de suas terras. por exemplo, “tel Aviv” seria a cidade de TEL ARABIA, assim por diante. Quantos Palestinos foram expulsos de seus lares e/ ou assassinados, quantos Palestinos hoje não podem retornar aos seus lares e a própria Palestina? Saberias informar essas questões de forma verídica em sem contorcer a real história? Peço de coração. Um abraço

    1. Oi, Lucas! Poxa, eu só conheci Israel, não visitei a Palestina durante a minha viagem, então não sei comentar sobre os fatos com profundidade. Sugiro que você pesquise em um site/blog cujo assunto mais especifico seja esse conflito. Beijocas!

    2. Os palestinos roubaram a terra dos romanos n foi? E os romanos dos judeus.Ah, os árabes roubaram todo norte da África e os africanos nunca se levantaram contra eles.

  4. Ola´, li sobre o carimbo de Israel acima, se puder me esclarecer outra dúvida por favor.Não se carimba mais em hipótese alguma? Quando fui em 2016 recebi só o documento tipo uma id. Agora vou a Jordania e retorno pra Israel pra depois seguir pra Europa e depois Dubai. Nas fronteiras eles não carimbam o passaporte também ?

    1. Oi, Robson! Em Israel não, justamente pra evitar problemas pra turistas indo pra outros países do Oriente Médio. É isso, você só recebe esse documento que fica solto no passaporte. Bjs!

  5. Anna, boa noite! Em primeiro lugar gostaria de elogiar pelo belo post com suas informações muito úteis.
    Estaremos visitando Israel em março próximo, pelo que entendi posso ficar hospedado em Tel Aviv e de lá pegar
    todos os passeios que desejo para não ter que mudar de hotel, é isso ou vc sugere diferente?
    Desde já agradeço. Um grande abraço!

    1. Oi, Aryson! Muito obrigada 🙂 Depende do que você quer visitar e de quanto tempo você tem em Israel. Se for pra dar um giro completo, eu sugiro ficar em Tel Aviv, Jerusalém, alguma cidade grande do Norte pra fazer a Galileia, região do Mar Morto e Eilat. Beijocas!

  6. Olá
    Adorei seu Blog e estou tirando várias dicas dele pra minha próxima viagem.
    Queria uma ajudinha…
    Vou pro Libano e ficarei uma semana. De lá pego um voo pra Amman, vou até Petra, volto pra Amman e estou pensando em ir pra Israel.
    Se minha viagem for só Libano e Jordania, seriam 12 dias, se incluir Israel preciso de mais uns 7 dias e não consigo fechar meu voo por causa desse dúvida…
    Você acha que por ter entrado no Libano, posso ter problemas pra entrar na Jordania ou especialmente em Israel?
    Viajo com minha esposa e meus pais, de 70 anos, talvez isso ajude em algo.

    1. Oi, Rafael! Então, os problemas costumam ser ao contrário. Por isso não carimbam os passaportes em Israel. O que é mais chatinho é a saída, e aí pra todo mundo, mas creio que você não terá problemas porque o trajeto Jordânia-Israel é feito regularmente até por empresas de turismo locais e o Líbano e a Jordânia têm fronteiras abertas. Bisous!

    2. Fomos primeiro para Dubai, de lá pegamos um vôo para Amann e de lá fomos de ônibus para entrar em Israel, a entrada até me surpreendeu, fora os tramites que existem em todas as alfandegas, tudo foi tranquilo, pois estava em um grupo de uma agencia que já faz este roteiro há uns vinte anos, a saida é um pouco mais burocrática, mas valeu a pena pela viagem inesquecível.

  7. Olá! Muito boas as dicas… Estive em marco de 2015 em Israel, Jordânia e Egito, e agora, mês que vem estarei voltando para Israel numa viagem de 12 dias. Super empolgada como se fosse a primeira vez rsrsr e repassar essas dicas é muito bom… Que venha 12/03/2018…

  8. Olá Ana em primeiro lugar obrigada pelo seu post olha gostaria de saber se em Jerusalém se paga para visitar algum lugar?E se em Tel Aviv nos podemos alugar bicicletas para conhecer a cidade e se compensa?Obrigada abraços

    1. Oi, Cacia! Só o museu do Holocausto pelo que me recordo. E simmm, em Tel Aviv é uma delícia alugar bikes e passear pela orla! Programa mais legal 🙂 Eles têm estações de bikes como as do Itaú por toda a cidade. Beijos!

  9. Estive em Israel e mais Jordania e Emirados Árabes em novembro/2016, confesso que os sete dias em Israel foram insuficientes para tantas atrações nesta terra fantástica, entramos pela Jordania e fomos de ônibus para Tiberiades, ficamos em um hotel (Leonardo Club) que tinha vista para o mar da Galileia passamos três dias e de lá fomos para Jerusalem, passando antes por Haifa e Tel Aviv, conhecemos as principais atrações de Israel, Belém e Cisjordania, achei impressionante o Museu do Holocausto, e arrepiei com os lugares sagrados, realmente são tantas as atrações que fica dificil absorver tudo, preferia ter trocado os cinco dias em Dubai e Abu Dabi por mais dias em Israel, mas pretendo um dia voltar, este ano vou a Europa e quem sabe o próximo volte ao Oriente Medio.

  10. Oi, Anna! Gostei muito das dicas 🙂 Gostaria de fazer Israel + Jordania + Egito com meu marido e dois filhos (de quase 6 e 10 anos, super acostumados a viajar por varios lugares). A questão é que seria o periodo de final de Dezembro e Janeiro. Andei pesquisando, e para o Egito não haveria problemas com clima neste periodo, mas Israel e Jordania estou com muitas duvidas 🙁 Valeria realmente à pena? Muito frio e chuva? Não nos importamos com 8o graus, por exemplo, mas muita chuva seria um problema…Qual sua opinião? Agradeço desde já 😉

    1. Oi, Ana! Eu fui pra Israel em novembro e foi bem tranquilo e agradável, pois não estava aquele calor insuportável. Dezembro e janeiro eu não sei como funciona o clima em relação às chuvas, mas sobre o tempo em geral posso te dizer que não é frio exagerado não. E no sol e em regiões de deserto, inclusive dá pra usar roupas bem de verão. Beijos!

  11. Boa noite meu nome é Paul VIERA e eu sou um comerciante farmacêutico e noto que neste momento sou como o mais feliz deste mundo.Eu venho em testemunho de um empréstimo entre indivíduo que acabei de receber. Recebi meu empréstimo graças ao serviço da Sra. Mellissa Wilson.Os procedimentos a serem feitos para que o meu empréstimo demorasse apenas uma semana e já recebi a confirmação de que a transferência do montante do meu pedido de 145.000 € foi enviado para a minha conta e depois de ter consultado muito cedo a minha conta. No banco, para minha surpresa, a transferência chegou.Eu finalmente recebi satisfação porque foi por quase 5 meses que eu andei em círculos e fui enganado por criminosos.Peço a todos os meus parentes e amigos que precisem entrar em contato com a Sra. Mellissa Wilson e você ficará satisfeito com o seu pedido de empréstimo.
    Ela saberá como ajudá-lo sem complicação para a aquisição de seus pedidos financeiros.

    Aqui está o seu e-mail: wilmellissa48@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *