Em uma das cidades mais antigas do Uruguai, na costa do Rio da Prata, o que prevalece é calmaria, beleza interiorana e muita história por trás de cada esquina. Colônia do Sacramento é o clichê colonial perfeito: um centrinho compacto com ruas de pedra e um casario colorido bem conservado que abriga lojinhas, restaurantes e bares. Com o toque especial da localização beira-rio, que proporciona um pôr do sol de tirar o fôlego. A cidade é um passeio bacana de um dia tanto para quem está em Montevidéu quanto em Buenos Aires.

Como chegar em Colônia de Sacramento

Desde Montevidéu:

A capital uruguaia fica a 180 km de distância e aproximadamente 2 horas de viagem – há ônibus, operado pela COT, com preços desde US$21.

FERRY-COLONIA-DO-SACRAMENTO

Desde Buenos Aires:

As companhias que fazem o trajeto de Buenos Aires a Colônia do Sacramento são a Buquebus, mais conceituada no mercado, a Colonia Express, que costuma receber reclamações dos viajantes (evite) e a Seacat, a mais nova e econômica (passagens desde US$ 35) – e na minha opinião, a melhor opção a se escolher. O embarque ocorre no terminal de Puerto Madero a partir das 8h e os percussos variam de 1h15 a quase 3h. Os ferries são equipados com cadeiras confortáveis, cafés com comidinhas como medialunas e alfajores e até mesmo um free shop.

Dica: se estiver com malas ou mochilas muito grandes, a melhor opção é deixá-las no guarda volumes do porto – é só apresentar seu bilhete e pegar o espaço gratuitamente. Caso esteja lotado, as lojinhas e cafés da região costumam fazer este mesmo serviço por aproximadamente US$2 por mala – sempre aberto a negociação.
Dica 2: Colônia é uma cidade totalmente turística, e consequentemente, muito preparada para receber os visitantes diariamente, por isso, apesar da moeda oficial ser o peso uruguaio, praticamente todos os estabelecimentos aceitam dólar, real e peso argentino. Se a sua viagem ao Uruguai for de apenas um dia, pode compensar fazer o uso do real (a conversão é bem justa) ou cartão de crédito – o país dá um desconto de 9% no IVA (Imposto sobre Valor Agregado) para turistas no ato da compra.

BATE-VOLTA EM COLÔNIA DO SACRAMENTO

O que fazer em Colônia do Sacramento

Colônia é perfeita para andar sem destino e sem compromisso: descobrir seus muitos pontos fotogênicos e históricos, se esbaldar com um sorvete caseiro de doce de leite, sentar nas praças para ouvir os passarinhos cantarem. Carros não entram no Centro Histórico, por isso é necessário fazer o passeio a pé, de bicicleta ou com um carrinho de golfe, que pode ser alugado pela cidade (é uma boa opção se o seu tempo é mais curto e para conhecer ruelas mais afastadas do centrinho).

porta-colonia-do-sacramento

Portão de Campo

A porta de entrada para o centrinho histórico se dá no Portão de Campo: a primeira pausa para fotos e um verdadeiro portal para a história. Construído em 1745 pelos portugueses, o portão é cercada por muralhas de pedra, com uma ponte em madeira presa por correntes de metais.

Praça Maior ou Praça 25 de maio

Bate-volta em Colônia do Sacramento: Como toda boa cidadezinha de interior, sempre há uma praça central. Ao seu redor estão instalados museus, restaurantes, cafés, lojinhas de souvenires e uma porção de ruelas encantadoras como a Calle de Solis e a Calle de los Suspiros. Também há vestígios arqueológicos, típicas casinhas antigas e ruínas da muralha.

praça-maior-colonia-do-sacramenti

Calle de Los Suspiros

calle-de-los-suspiros

calle-de-los-suspiros-colonia

Apesar do nome parecer mais uma analogia à encantadora região, a história por trás dela é, na realidade, triste – diz-se que era lá que os escravos passavam antes de serem executados na beira do Rio da Prata. Hoje cartão-postal, a rua com pavimentação original, com pedras desiguais, se transformou e trouxe outro sentido e sensação: ela proporciona um passeio tranquilo, com o restaurante El Buen Suspiro, uma lojinha de doces e queijos (não deixe de levar um para casa) e muitas florzinha coloridas no caminho.

Na rua ao lado está a Calle de Solis. Assim como a vizinha, ela também concentra algumas lojinhas de doces e e artesanatos locais e uma pequena galeria de arte. Esta também é a rua mais próxima do restaurante Charco (leia mais abaixo), perfeito para uma pausa pro almoço.

farol-colonia-do-sacramento

Farol da Colônia

Com 34 metros de altura e mais de 110 degraus, esta construção de 1855 foi um marco histórico e um facilitador às embarcações que navegavam pelo mar escuro e perigoso com ouro e prata. Hoje, sua função é encantar os turistas com seu corpo acilindrado e a exuberante vista do topo. A subida de tirar o fôlego – literalmente – é recompensada pelo panorama 360 graus da vegetação ao redor, os tetos das casinhas históricas e o mar que reflete o sol ao fundo. O valor de entrada é menos de US$ 1.

Plaza de Armas + Igreja Matriz

Esta pracinha do Centro Histórico também é certamente os dos cartões-postais de Colônia do Sacramento. Ela abriga a Igreja Matriz, também conhecida como a Basílica do Santíssimo Sacramento, a mais antiga do país, construída em 1680, tendo sido destruída e reformadas diversas vezes desde então. A arquitetura não impressiona, com fachada simples e interior pouco adornado. A entrada é gratuita.

Museus de Colônia do Sacramento

Fora a bagagem histórica que cada rua carrega, a cidade também apresenta um complexo de nove museus, sendo eles o Municipal, o Espanhol, o Português, o de Arquivo Histórico Regional, o Indígena, a casa portuguesa de Nacarello, o do Azulejo, o do Humor e, por fim, o Paleontológico. Para fazer as visitas, é necessário adquirir apenas um ingresso de aproximadamente US$ 2 a ser retirado no Municipal, que fica em frente à Praça Maior. A maioria dos museus está nas redondezas e podem ser rapidamente visitados. Interessante para aprender sobre as várias facetas de Colônia e imaginar como ela era no passado.

Avenida General Flores

avenida-general-flores-colonia

Consagrada como avenida principal de Colônia do Sacramento, a General Flores faz jus ao nome: é ladeada por árvores dispostas simetricamente e canteiros floridos. Entre a rua asfaltada e as calçadas de pedra, a avenida dá acesso a diversas ruelas secundárias. Sua extensão vai do porto ao Rio da Prata e é contemplada com algumas construções mais modernas com cafés, sorveterias e restaurantes. Se você quer adquirir uma lembrancinha da cidade, este é o lugar: a cada dois estabelecimentos, um vende souvenirs.

DICA EXTRA

Pôr do sol em Colônia do Sacramento

O Uruguai tem alguns dos melhores pores do sol da América do Sul, e em Colônia isso não é diferente. Seus spots mágicos e especiais à beira do Rio da Prata são marca registrada. Enquanto o céu toma diferentes colorações, os visitantes procuram um espaço para sentar e curtir o espetáculo. Importante dizer que os ferries que voltam para Buenos Aires saem entre 16h e 20h, então, dependendo da época do ano, é provável que aqueles que queiram retornar à capital argentina no mesmo dia não tenham tempo de ver o pôr do sol – um motivo para pensar em pernoitar por lá.

colonia-do-sacramento-por-do-sol

paseo-de-san-gabriel-colonia-do-sacramento

letreiro-colonia-do-sacramento

Orla do Rio da Prata

Aqui, point mais popular para o pôr do sol, de qualquer cantinho pode-se ver o show no final da tarde, com o céu mudando de cor e o sol refletido na água. Tenha uma taça de vinho na mão para completar a experiência.

Paseo de San Gabriel

Ao final da Avenida General Flores, virando à esquerda, chega-se no píer de Colônia. Os banquinhos de madeira virados para a água rapidamente lotam e a beirada do pier se enche em clima de celebração.

Letreiro de Colônia

Um pouco mais afastado do centro, é melhor para quem está de carro. Saindo do porto à esquerda e seguindo por uma estrada por 10 minutos, chega-se no famoso letreiro da cidade. Por trás da letras o sol alaranjado vai caindo no mar.

BATE-VOLTA EM COLÔNIA DO SACRAMENTO

Onde comer em Colônia do Sacramento

la-beduina-colonia

Café da manhã: La Beduina

A fim de fugir das aglomerações de turistas e se sentir como um local, La Beduina pode ser uma boa opção pela manhã. Cafezinho coado, bolo caseiro e algumas delícias típicas são servidas neste café localizado a 25 minutos a pé do Centro Histórico, ou apenas 10 minutinhos de carro. Além de lanchonete, o local também funciona como uma hospedagem B&B, o que traz uma sensação de aconchego familiar ainda mais à tona. O salão é decorado com artigos minimalistas e branquinhos, e o área externa conta com poltronas e sofazinhos delícias.

restaurante-charco-colonia

Almoço: Charco Bistro

O Charco certamente não passa despercebido em uma visita à Colônia. Este bistrô tem um espaço charmoso e romântico à beira do rio e serve carnes e massas variadas de qualidade excelente. O ambiente é relativamente pequeno e acomoda algumas mesas de madeira rústicas próximas às grandes janelas com vista pra água.

Lanche da tarde: Deli de Las Rosas

Bate-volta em Colônia do Sacramento: bem no Centro Histórico, esta opção é perfeita para fazer uma pausa na andança e tomar um cafezinho acompanhado de bolo. A lojinha da Deli de Las Rosas se assemelha a uma casinha de bonecas, toda pintada de rosa-pastel, com cadeiras rústicas  brancas e muitas florzinhas. Há também delícias veganas e vegetarianas.

restaurante-deli-de-las-rosas

Jantar: Meson de La Plaza

Se for seguir viagem ou pernoitar em Colônia, vale jantar no Meson de La Plaza. Além de estar bem localizado, traz o requinte toscano com suas paredes em pedra, janelas e mobílias em madeira e um cardápio para deixar com água na boca – peça o ravióli de rúcula e as carnes uruguaias.

El Drugstore

Dentre os poucos pontos de agito na noite de Colônia do Sacramento, o restaurante e bar tem clima de happy hour, com música e muita interação. A decoração colorida vibra com o local, que oferece cerveja gelada e petiscos como a porção de camarão no vapor.

BATE-VOLTA EM COLÔNIA DO SACRAMENTO

Onde se hospedar em Colônia do Sacramento

El Viajero Colonia Hostel & Suites (diárias desde US$ 23)

Neste hostel localizado a 50 metros do centrinho e a um 1 km da praia, o clima é bem social: de noite, os hóspedes se reúnem na área de lazer com lareira e churrasqueira com shows esporádicos de música e teatro. Além dos quartos compartilhados há também acomodações individuais com banheiro privativo. A decoração é rústica, com piso de azulejo, móveis e decoração em madeira e alguns detalhes em vermelho e azul que dão clima mais festivo ao hostel.

Spa Hotel La Reserve (diárias desde US$ 50)

Bate-volta em Colônia do Sacramento: não tão perto do porto ou do centrinho, este hotel sofisticado à beira-mar tem pegada de bem-estar. Há uma área de spa totalmente equipada com sauna, piscina e salas de massagem e opção de personalizar a estadia com planos de refeições e de exercícios específicos. Os quartos são espaçosos e aconchegantes.

Posada Plaza Mayor (diárias desde US$ 90)

A 100 metros do portão principal da cidade, a pousada se camufla na entre o casario histórico, desde a porta principal colorida e ornamentada até o mobiliário antigo conservado no interior. Os quartos seguem o mesmo estilo, com algumas paredes de pedra e outras pintadas de azul-turquesa. Das janelas do salão que serve o café da manhã é possível ter uma linda vista para o Rio da Prata, e há um jardim de inverno com muitas plantas, banquinhos e até um balanço em formato de ninho bem lindinho.

Pietra Palma

Estudante de jornalismo e aspirante a viajante profissional aqui no Carpe Mundi. Férias, feriados e finais de semana são sempre oportunidades para conhecer uma nova cultura, um novo lugar, um novo espaço. Gosta de colecionar momentos e pedaços desses caminhos através da escrita e acredita que uma boa viagem tem o poder de reanimar a alma.

1 comentário

Deixe seu comentário

voltar ao topo