bahia


Roteiro Chapada Diamantina de 7 a 9 dias pronto pra usar

Tem inúmeras maneiras de montar um roteiro pela Chapada Diamantina: a área é enorme (cerca de 1 500 km², ou o tamanho da cidade de São Paulo inteira!) e a coleção de grutas, cachoeiras e cânions é diretamente proporcional. Aqui eu explico o que eu acredito ser um roteiro bem completo, dando a volta no parque nacional e passando pelas três principais cidades-base, Lençóis, Mucugê e Capão.

POST COMPLEMENTAR: Chapada Diamantina: como ir, melhor época, onde ficar e outras dicas

O que você vai ver nesse roteiro Chapada Diamantina:

Uma volta pelo Parque Nacional da Chapada Diamantina, visitando as duas principais cachoeiras da região (Buracão e Fumaça) e algumas grutas e fazendo um trecho do trekking do Vale do Pati, a caminhada mais famosa da região, para quem não tem tempo/fôlego para cumprir o trajeto todo. Aqui você também vai dormir em três cidades diferentes, Lençóis, Mucugê e Capão.

Como circular nesse roteiro Chapada Diamantina:

Eu fiz os deslocamentos de carro (alugado com a Rentcars em Salvador) e lá contratei os passeios com a Venturas, que tem uma filial local. É bem cansativo dirigir de Salvador a Lençóis (cerca de 6 horas de viagem), mas para quem está em grupo é o jeito mais prático e econômico, e ainda dá chance de você fazer tudo no seu tempo. Outra possibilidade é chegar lá e se encaixar em grupos da agência (mas aí você depende do que está saindo no dia) ou, para quem quer conforto total, comprar o pacote todo já incluindo transporte. Para se localizar melhor, baixe o aplicativo Maps.me, que funciona offline, porque tem pouco sinal no caminho. Celulares Claro pegam melhor na região.

Chapada Diamantina: roteiro de 7 a 9 dias

* Se quiser fazer em 7 dias, simplesmente corte o dia 3 e o dia 7. Se quiser fazer em 8, corte só o dia 7.

DIA 1: Chegada a Salvador de manhã e ida até Lençóis (450 km). Pernoite em Lençóis.

O caminho é longo e chatinho pela presença de muitos caminhões na estrada. Pelos lados da cidade de Itaberaba tem alguns postos com almoço decente. Sugiro ficar na Pousada Canto no Bosque, num área verde gostosa a 15 minutos de caminhada do centrinho de Lençóis.

DIA 2: Cachoeira do Mosquito, Poço do Diabo e Morro do Pai Inácio. Pernoite em Lençóis.

A Cachoeira do Mosquito é uma ótima estreia para a chapada. Uma trilha tranquila (cerca de 3 km) leva a essa queda d’água forte de 70 metros de altura circundada por rochas avermelhadas e piscinas de água cor chá mate (como de costume na chapada). Você fica ali um tempo curtindo a paisagem e depois se dirige até o Poço do Diabo, que tem um restaurante pra almoço na entrada. Coma ali e depois siga ao tal poço, descendo pelo caminho do rio, com espaçoso para sentar nas pedras e curtir o silêncio. Umas 4h comece a rumar ao Morro do Pai Inácio, da onde se tem as vistas mais fantásticas da região.

cachoeira-do-mosquito-chapada-diamantina
Cachoeira do Mosquito

DIA 3: Remanso e Marimbus. Pernoite em Lençóis.

Pegue a estrada que vai até a comunidade quilombola do Remanso, onde os próprios moradores são guias e remam as canoas por uma região conhecida como Marimbus, uma planície alagada (por isso o apelido de mini Pantanal) semivirgem, onde você singra caminhos pela água entre a vegetação. O rolê termina num antigo casarão da época do garimpo, onde é servido o almoço. Dali também sai uma trilha que leva até as corredeiras do Rio Roncador, que tem uma vista bonita para a paisagem e poços entre as pedras pra tomar banho.

pantanal-marimbus-chapada-diamantina

DIA 4: Poço Encantado e Poço Azul. Pernoite em Mucugê.

Dia light com essas duas maravilhas. No Poço Encantado não é permitido nadar; você só desce gruta adentro para se deslumbrar com uma piscina límpida azulada que dá um show maior ainda quando um raio de sol entra. No Poço Azul você almoça (comida mesmo ou só um pastel de palma, cacto da região) e entra na gruta para fazer um snokel de 20 minutos numa água também impressionantemente azul. Termine o dia na cidade de Mucugê – sugiro a Pousada Mucugê.

poco-encantado
Poço Encantado

DIA 5: Cachoeira do Buracão. Pernoite em Mucugê.

O café da manhã da Pousada Mucugê é um dos mais fartos que eu já vi na vida (sério), com uma mesona em que cada centímetro da superfície é preenchido por bolos, tortas, pães. Forre o estômago antes de partir para a Cachoeira do Buracão, para mim a maior atração da chapada. A caminhada (6 km ida e volta) pelo Parque Natural do Espalhado é cênica, margeando o Rio Espalhado e atravessando pedras entre arbustos baixos e cactos (mandacaru, xique-xique, palma) até entrar pelo cânion que leva à queda d’água. Ali você se enfia num colete salva-vidas e nada pelo garganta rochosa até ela, a majestosa cachoeira, com 85 metros. Uma experiência surreal. Na volta é possível observá-la do alto e tirar uma foto com essa ao lado.

DIA 6: Caminhada Guiné-Capão. Pernoite no Capão.

Esse trekking de 18 km é um trecho da famosa travessia do Vale do Pati. A caminhada é longa, mas é relativamente fácil, com poucos trechos de subida, e culmina no belo Mirante do Pati, com vista para as montanhas chapadas, entre a vegetação do cerrado suas variantes pelo caminho. Uma imensidão de natureza poderosa onde não há quase alma humana à vista. O fim da trilha, já quase no anoitecer, é numa matinha fechada que culmina no vilarejo do Capão, estrategicamente em frente a um café que serve açaí e a famosa coxinha de jaca da região. Durma na linda Pousada do Capão. Em tempo: pra fazer essa trilha você precisa contratar um guia e um motorista pra levar seu carro (se for o caso) do início da trilha até o Capão.

capao-vila

DIA 7: Cachoeira Purificação e Poço Angélica. Pernoite no Capão.

O trekking do dia anterior é pesado então é melhor ter um dia mais relax. Conheça essas cachoeiras próximas do Capão e curta a área da pousada, que tem banho de rio, spa, jardim e, de noite, pizzaria e fogueira. Melhor investimento da viagem. De noite o centrinho roots é animado e tem lojinhas pra comprar ervas, cristais, artesanatos.

DIA 8: Cachoeira da Fumaça e Riachinho. Pernoite no Capão.

Outra grande estrela da chapada e uma das maiores cachoeiras do Brasil, tem 340 metros de altura – o nome se dá pela água, que se perde no ar lá embaixo, virando vapor. Para vê-la do alto, é necessário enfrentar uma trilha dividida em dois trechos: cerca de uma hora de subida íngreme para chegar até os altiplanos chamados Gerais da Fumaça, e depois mais uma hora de caminhada leve para chegar até o topo da queda da cachoeira.

cachoeira-fumaca DIA 9: Volta a Salvador.

Há 1 comentário para “Roteiro Chapada Diamantina de 7 a 9 dias pronto pra usar

  1. Adorei o roteiro, Betina! Só fiquei com duvida em relação aos guias. Em quais outros dias os guias foram necessários além do Pati? E é só chegar na cidade e procurar a agência ou precisa reservar antes?
    Muito obrigada 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *