frança


As melhores vinícolas pra visitar em Bordeaux, na França

Vinícolas em Bordeaux: a região é uma das mais prestigiosas produtoras da França e conhecer algumas propriedades é programa essencial.

LEIA TAMBÉM: O que fazer em Bordeaux: passeios e restaurantes
8 razões pra viajar a Bordeaux, a cidade francesa da vez
Os top 3 hotéis pra ficar em Bordeaux

Pra entender: são mais de 4000 propriedades vinícolas em Bordeaux, ali chamadas de château (em outros tempos, como a maioria dos vinhedos estava localizada ao redor de castelos , as vinícolas acabaram sendo batizadas com seus nomes; atualmente nem todas têm castelos próprios, mas mesmo assim se chamam de château). 85% do vinho produzido é tinto e predominam as uvas cabernet sauvignon e merlot.

A região toda tem 120 000 hectares, ou seja, algumas propriedades podem ficar bem longe da cidade de Bordeaux em si – as “appelations” (denominações) mais conhecidas são St. Emillion, Margot, Pessac-Léognan, St. Julien e Pomerol.

O legal é visitar 3 vinícolas em Bordeaux (mais do que isso começa a ficar um pouco repetitivo), e de perfis diferentes. Uma maior e mais famosa, outra pequena e desconhecida e alguma outra que tenha um restaurante ou tour especial.

vinho-bordeaux

Como visitar as vinícolas de Bordeaux?

Na maioria das vinícolas é preciso agendar um tour por email ou telefone (você pode pedir para o seu hotel fazer isso), que pode ser privativo ou em grupo – entre no site da vinícola e procure o contato. Pra poder beber sem se preocupar, você pode comprar um dos tours que saem do Escritório de Turismo de Bordeaux (12 Cours du 30 Juillet, em Bordeaux) e custam em média € 70 (os grupos costumam ter até 8 pessoas) pra uma manhã ou tarde – veja que língua falam os guias, normalmente há opções em inglês e em espanhol -, e € 145 pra um dia inteiro. Passe lá quando chegar na cidade e veja o que eles têm a oferecer.

Se você prefere fazer as coisas por conta própria, agende direto com as vinícolas em Bordeaux que você quer conhecer e aí chame um táxi ou transfer (você também pode pedir ajuda no seu hotel). Pra algumas localidades, como St. Emilion, você pode ir de trem ou ônibus e aí tomar um táxi da estação até a vinícola.

Se você não é um superconhecedor de vinho e não tem nenhuma vinícola em mente que quer visitar, aqui vão algumas sugestões. Lembre-se que ter o melhor vinho não significa que a vinícola seja bem preparada para receber visitantes – é mais legal visitar as que têm estrutura (tours de bicicleta, degustações com queijo e chocolate, aulas de culinária, jantares harmonizados). Pra comprar um rótulo específico, você sempre pode ir nas lojas de vinho da cidade.

caves-bordeaux

As melhores vinícolas em Bordeaux:

Pessac-Léognan – 15 km de Bordeaux

Château Pape Clément

É um dos “grand crus” mais velhos de Bordeaux – se faz vinho ali desde o século 13. O château grande (de 60 hectares) com mobiliário histórico fica entre um jardim impecável com estátuas e arbustos, e tem uma adega grandiosa. Você pode agendar sua visita online – o tour básico custa € 49 e inclui degustação de 5 vinhos.

Château Bardins

A propriedade de 24 hectares, com a mesma família há mais de século, tem um bonito château coberto por trepadeiras. O passeio básico inclui 2h de bicicleta entre os vinhedos por estradinhas de terra, e vai parando em outros châteaux como o Château Bouscaut, que guarda um pequeno museu e a parede de plantas maravilhosa da foto abaixo. No fim, visita-se a adega e há uma sala de degustação pequena pra provar (e comprar!) os vinhos. Ótima opção pra uma experiência intimista pra quem não está preocupado com “grifes” do vinho. Custa € 65 (2h de bike + 1h de degustação). Agende pelo email contact@chateaubardins.com.

Chateau-Bardins-franca

Saint-Émilion – 50 km de Bordeuax

A vila de Saint-Émilion é uma graça. Vale a pena passar por lá antes de ver os châteaux, ou mesmo dormir uma noite.
Veja o post completo de Saint-Émilion aqui

Château La Dominique

Vale a visita não só pelos ótimos vinhos merlot, mas pela adega moderníssima projetada pelo arquiteto Jean Nouvel, um quadrilátero  com paredes espelhadas vermelhas com um terraço panorâmico de onde você pode enxergar os vinhedos. A visita básica é barata (€ 12) e inclui degustação de 2 vinhos; reserve pelo site. Também vale almoçar no restaurante da vinícola, o La Terrasse Rouge; o menu sai € 28.

Château Soutard

Rara combinação de vinícola top (grand cru) com ótima experiência para os visitantes. Tem desde o tour básico (€ 10) até um desenhado pra crianças aprenderem sobre vinho (€ 20), um curso de culinária com harmonização (€ 150), um piquenique com vinho nos jardins (€ 28), entre outros. É só reservar pelo site.

Médoc – 60 km de Bordeaux

Château Lanessan

Uma linda propriedade nas mãos da mesma família há 8 gerações, com vinhos tintos com ótimo preço, um jardim inglês com rosário e estufa e um pequeno museu sobre a Belle Époque. Uma carruagem leva para conhecer os vinhedos. Mande uma mensagem pelo site pra agendar.

Pontet-Canet

chateaux-lanessan

Château Maucaillou

Próximo da estação de trem de Moulis, inclui museu do vinho, loja, sala de degustação, restaurante e até quartos de hotel. O local é estruturado, mas o site é confusinho – mande um email para chateau@maucaillou.com.

Château Pontet-Canet

A vinícola, parte da primeira classificação de Bordeaux em 1855, nasceu no século 18, mudou de famílias de proprietários 3 vezes e hoje, com 81 hectares, produz vinhos orgânicos. A visita leva pelos vinhedos em um carrinho de golfe. Agende mandando uma mensagem pelo site.

St. Julien – 50 km de Bordeaux

Château Gruaud Larose

Uma linda propriedade neoclássica com várias opções de tour. O básico (€ 10) começa no topo de uma torre panorâmica e desce até as adegas pra provar 2 vinhos, mas também há cursos de degustação. O melhor: você pode fazer o tour com Maisa Mansion, que é brasileira! Mande um email pra reservar com ela em português: maisa.mansion@gruaud-larose.com.

*O Carpe Mundi foi a Bordeaux a convite da Air France e da Atout France. O conteúdo do post reflete apenas a opinião da autora.

A autora

Betina Neves

Betina Neves

Editora do Carpe Mundi, viaja pra trabalhar e trabalha pra viajar. É jornalista freelancer e já escreveu pra Viagem e Turismo, ELLE, Claudia, Vamos LATAM, Superinteressante, Cosmopolitan, VEJA São Paulo, Folha de S. Paulo, entre outras publicações.

Instagrambetina.nevesbetina.nevesbetina.neves

A autora

Betina Neves

Betina Neves

Editora do Carpe Mundi, viaja pra trabalhar e trabalha pra viajar. É jornalista freelancer e já escreveu pra Viagem e Turismo, ELLE, Claudia, Vamos LATAM, Superinteressante, Cosmopolitan, VEJA São Paulo, Folha de S. Paulo, entre outras publicações.


Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *