tailândia


O que fazer em Bangkok: os 20 programas imperdíveis

A capital da Tailândia pode parecer um pouco opressora à primeira vista: grande, quente, cheia de gente, de mercados, de tuk-tuks.

Mas, com um pouco de paciência, Bangkok se deixa revelar uma das capitais mais interessantes do mundo. Aqui, selecionei os 20 melhores programas da cidade, das grandes atrações aos pequenos achados, da melhor barraca de rua ao restaurante mais sofisticado. Veja, abaixo, o que fazer em Bangkok.

O que fazer em Bangkok: os melhores programas

*Preços: US$ 1 = 35 baht

ADMIRAR O GRAND PALACE

O que fazer em Bangkok: de todos os templos e construções suntuosas da cidade, não há nada parecido com o Grand Palace. A visita ao complexo pode durar uma manhã toda (aliás, quanto mais cedo chegar, melhor, depois o troço lota) e vale o valor levemente inflacionado do ingresso. Construído em 1782 e por 150 anos a residência do rei e a sede administrativa do governo tailandês, o Grand Palace tem arquitetura absolutamente deslumbrante– nenhum palácio que você já tenha visto na Europa vai te deixar mais impressionado do que este, mesmo que seja no quesito exoticidade.  São várias construções diferentes, incluindo o Wat Phra Kaew (Wat significa templo), que guarda o louvado Buda com olhos de esmeralda. Ali não pode entrar de jeito nenhum mostrando os joelhos e ombros; no início há um local onde você pode alugar capas pra se cobrir, mas costuma ter fila, então melhor já ir preparado. Aberto diariamente 8h30/15h30; $ 500 baht

grand-palace-bangkok

FOTOGRAFAR OS TEMPLOS BUDISTAS MAIS LINDOS DO SUDESTE ASIÁTICO

O que fazer em Bangkok: a capital tailandesa tem mais de 400 templos. Aqui elenquei os imperdíveis, mas você vai ver muitos outros de surpresa caminhando pelas ruas.

WAT PHO: É o templo mais interessante da cidade. Um gigantesco Buda deitado com 46 metros de comprimento parece quase apertado na construção principal, protegido por pilastras e paredes impecavelmente pintadas. Saindo de lá, explore o complexo, com fileiras de Budas dourados, pequenas capelas e 91 chedis (estruturas em forma de torre ou sino que guardam as relíquias do Buda) decorados com mosaicos coloridos. Pra completar, há a escola de massagem e medicina tailandesa mais respeitada do país; apesar da sala ser levemente apertada, foi a melhor massagem tailandesa que eu fiz na vida. Aberto diariamente, 8h/17h; o ingresso custa $ 100 baht

wat-pho-bangkok

Loha-Prasat-templo

WAT RATCHANATDARAM: Assim como os mercados, templos podem começar a ficar um pouco indistinguíveis depois de alguns dias na Tailândia. Mas não este, graças a Loha Prasat, com 36 metros de altura, 37 pináculos (que representam as virtudes pra chegar à iluminação do budismo), e teto coberto por azulejos de bronze. Lá dentro há estátuas e espaços para meditação, com um mirante no topo. Ao lado está o templo em si, igualmente belo e entre as melhores coisas de o que fazer em Bangkok. E atrás há um mercado de amuletos budistas. Aberto diariamente, 8h/17h

WAT ARUN: Foi o primeiro que eu visitei em Bangkok e me deixou arrepiada. Na beira do Rio Chao Phraya, o templo-cartão-postal desponta na paisagem da cidade com seu “prang” (espécie de torre) de 70 metros de altura, ricamente detalhado (nota: ele esteve em reforma 2015 quase inteiro). Adoro os ornamentos nas paredes de uma das capelas, com flores vermelhas e fundo branco. Chega-se de barquinho – ou seja, dá para tirar essa foto dele com o Rio Chao Phraya. Aberto diariamente, 8h/17h; o ingresso custa 50 baht

wat-arun-in--bangkok

Vale ainda ver o GOLDEN MOUNT (aberto diariamente, 9h/17h), da foto de capa deste post. Na plana Bangkok, os 300 degraus que levam a esse templo te permitirão ver a cidade do alto. Um “chedi” imenso e dourado de 58 metros coroa o conjunto, com pequenos altares pra venerar o Buda. Dizem que dá sorte tocar todos os sinos que têm na subida. Se quiser mais, passe no WAT SUTHAT, com um balanço vermelho em frente, e o WAT BENCHAMABOPHIT (ou Marble Templo), todo de mármore e com um canal com esguichos.

CONHECER O BANGKOK NATIONAL MUSEUM E SANAM LUANG

O que fazer em Bangkok: Convenientemente localizado na Old Town, bem perto da Khao San Road, o museu abriga a maior coleção de arte e artefatos tailandeses do país em três áreas diferentes com boas descrições em inglês. O prédio principal tem um salão enormes só de Budas, de todos os tamanhos e idades. Em frente está o gramadão do Samam Luang, que sedia cerimônias reais e outros eventos. Em dezembro, por exemplo, recebe multidões pra comemorar o aniversário do rei. Qua/dom, 9h/16h; $ 40 baht

COMER NO WANG LANG MARKET

Do outro lado do rio Chao Phraya (pegue o barco no porto The Maharaj ou no The Prachan), fica em frente ao Siriraj Hospital. É um dos melhores mercados pra provar a comida de rua de Bangkok, com ruas forradas de barracas na hora do almoço. Na maioria deles é difícil saber o que pedir, porque as plaquinhas só dizem os nomes dos pratos em tailandês e o inglês dos vendedores só dá pra dizer o preço. Saiba o que fazer em Bangkok: procure porco ou pato assado com arroz e prove frutas e docinhos como o kanom buang maprow, um mini taco com creme e fios de ovos dentro. Vá durante a semana na hora do almoço, perto do meio-dia

khao-san-road

PASSAR (OU NÃO) PELA KHAO SAN ROAD

O epicentro do turismo e de uma Bangkok louca e alcoólatra está aqui, nesta rua com pouco mais de 500 metros que pode provocar amor e ódio em intervalo de minutos. Agências de turismo, estúdios de tatuagens, hotéis fuleiros, lojas de conveniência, camelôs que vendem de roupas estampadas a carteiras de motorista falsas e bares que servem drinques em baldes disputam a atenção dos mochileiros. À noite, a rua vira uma grande festa, com um bar disputando o volume do som com o outro. Eu sinceramente acho dispensável.Qualquer hora do dia; os bares fecham às 2h

VISITAR OS MERCADOS FLUTUANTES

São feiras afastadas do centro que funcionam nos fins de semana ao redor de canais, com produtos sendo vendidos “em terra” e em barcos. O mais famoso é o imenso e fotogênico Damnoen Saduak Floating Market, totalmente dedicado a turistas e longe demais: 100 km de Bangkok. Outro com a mesma vibe é o Amantawa, também longe (90 km) e lotado. Para os dois você vai precisar comprar um tour ou ficar bastante tempo no busão. Algo mais original está no Taling Chan Floating Market (sáb/dom 8h/17h) decididamente menos charmoso (talvez por não ser feito pra turistas), mas cheio de estandes bacanas de bambu vendendo peixes, frutas e doces, mesas ocupadas por famílias tailandesas inteiras fazendo almoço de domingo e barquinhos que te levam pra observar a vida como ela é entre os habitantes das margens dos canais. O melhor é que fica apenas a 10 km do centro: o táxi até lá custa cerca de $ 100 baht.

damnoen-floating-market

COMPRAR ATÉ CANSAR NO CHATUCHAK MARKET E NO JJ GREEN MARKET

O que fazer em Bangkok: o Chatuchak Market (sex 18h/00h, sáb/dom 9h/18h) de fim de semana tem nada menos do que 8 mil estandes, que proporcionam uma experiência consumista maluca. O lugar é impressionantemente ajeitado e tem lojinhas bonitinhas (mais caras) com roupas, artigos de decoração, sabonetes, velas, acessórios para animais (!), livros, antiguidades, obras de arte, entre mil outras coisas. É tão grande que nem vale a pena ficar pirando no mapa: vai segundo seus instintos pelas vielas de produtos. Penoso é encontrar um bom lugar para comer, melhor já ir almoçado. Vá de ônibus (veja o trajeto no Google Maps) ou de BTS – desça na estação Mo Chit. Menos visitado pela turistada, o JJ Green (qui/dom 17h/1h) fica bem próximo e rola às quintas-feiras também, mas só de noite. Ele é ligeiramente mais hipster e, mais legal, tem bares com música ao vivo entre as bancas de produtos. Foi um dos mercados noturnos que mais gostei de Bangkok.

FAZER UMA (OU MUITAS) SESSÕES DE MASSAGEM TAILANDESA

O que fazer em Bangkok: a massagem terapêutica tailandesa combina pontos de pressão com princípios de ayurveda e yoga e é absolutamente deliciosa; apesar de você sentir dor quase o tempo inteiro, a impressão é que o/a terapeuta está pressionando exatamente o que o seu corpo está precisando. E é tão barato que você vai querer fazer várias no decorrer da viagem. Veja nesse post os melhores lugares de Bangkok pra fazer massagem tailandesa.

VER FLORES NO PAK KHLONG TALAD FLOWER MARKET

O que fazer em Bangkok: Os numerosos mercados de Bangkok podem ficar um pouco uniformes – por isso é tão legal encontrar alguns “temáticos.” O Pak Khlong tem bancadas com quilos e quilos de flores, soltas e em arranjos, que se alastram numa área coberta e pela rua. Curiosamente, o horário pra ver o mercado em plena ação é de madrugada, depois da meia-noite, mas também dá pra passar durante o dia. Aberto diariamente, 24 horas

IR À CHINATOWN DE NOITE

Toda grande cidade asiática tem uma Chinatown, onde se concentram os imigrantes chineses, e Bangkok não é diferente. Sua porta de entrada é o belo Wat Traimit (aberto diariamente, 9h/17h), um templo de fachada singular que protege a maior estátua de ouro do Buda do mundo. Dali o movimento converge na Yaowarat Road, que tem calçadas lotadas de lojas e à noite é um dos melhores points de comida de rua da cidade. Uma experiência sensorial e uma oportunidade de ver como Bangkok é, de certa forma, bem mais viva à noite do que de dia.

CONFERIR O NOVO LHONG 1919

Aberto em outubro de 2017, esse espaço incrível bem pertinho de Chinatown (é só atravessar o rio no píer ao lado do restaurante Chinatown Riverview Seafood; tem no Google Maps) transformou um conjunto de galpões e um templo chinês do século 19, conservando algumas características da construção original. Ali foi colocado um conjunto de lojas de design maravilhosas (mais para ver do que para comprar, pelos preços altos), com artigos de couro, perfumes, artigos de decoração, roupas, entre outros produtos. Além do templo, há barraquinhas de comida (tailandesa, chinesa, japonesa), alguns murais de grafite, músicos tocando jazz ao vivo, um hall para exposições de arte e restaurantes. Maravilhoso para visitar no fim da tarde, mesmo que você não vá jantar ali. 10/20h diariamente

ANDAR DE RODA-GIGANTE NO ASIATIQUE THE RIVERFRONT

O que fazer em Bangkok: mais um projeto da onda de reformar antigos galpões – para chegar, pegue um barquinho do píer da estação Saphan Taksin do BTS. Arrumadinho, num estilo bem ocidental, tem uma série de restaurantes e lojas, uma coisa meio shopping a céu aberto, meio parque de diversões (pela presença da roda-gigante). É um passeio noturno legal por estar à beira-rio, onde a brisa alivia o calorão.

asiatique-bangkok

COMER O MELHOR PAD THAI DE BANGKOK

Ninguém sai da Tailândia sem preencher algumas refeições com uma pratada de pad thai, feito com macarrão de arroz, ovo, broto de feijão, camarão, amendoim, limão e molho de tamarindo. E nenhum vai ser tão bem-feito como no Thip Samai Pad Thai, que tem fila na frente todos os dias a partir das 17h – mas a coisa anda rápido, graças aos ágeis cozinheiros que finalizam os pratos na calçada numa linha de produção ininterrupta, envolvendo a massa com uma fina camada de ovo cozido. Simplesmente sensacional – e a porção custa só $ 90 baht. 313 Maha Chai Road, diariamente 17h/2h

CONHECER O NEW ROT FAI MARKET RATCHADA

O que fazer em Bangkok: perto da estação de metrô Cultural Centre, é um dos mercados noturnos mais bacanas da cidade. Nessa nova localização, o mercado tem das quinquilharias tradicionais que você vê em todo alugar até itens de antiquários e coisinhas de decoração, food trucks, bares e roupinhas mais descoladas. Qui/dom 17h/00h

nahm-bangkok

JANTAR NUM DOS MELHORES RESTAURANTES DA ÁSIA

Rankings são sempre discutíveis, mas na última edição asiática dos 50 melhores restaurantes da revista britânica Restaurant, o Gaggan alcançou a primeira colocação. O menu-degustação custa $ 3 500 baht e traz uma espécie de comida indiana molecular – o chef Gaggan Anand foi o primeiro indiano a fazer parte do time de pesquisas do famigerado espanhol Ferran Adrià. Técnicas malucas e combinações criativas entre sabores orientais e ocidentais te darão, se não o melhor jantar da viagem, um mergulho na gastronomia contemporânea asiática (leia sobre a experiência completa aqui). Outro restaurante-destaque na cidade é o Nahm, dentro do hotel COMO Metropolitan Bangkok. De comida tailandesa moderna, a casa é tocada pelo chef australiano David Thompson. O menu-degustação sai cerca de US$ 76 no jantar e US$ 49 no almoço.

EMBARCAR NUM TOUR GASTRONÔMICO POR BANGRAK

O que fazer em Bangkok: o bairro é historicamente um caldeirão de cultura gastronômica, onde pequenos restaurantes servem há décadas as mesmas receitas. Um jeito de descobri-lo é contratar o tour Historic Bangrak Food Tasting and Culture Tour, que leva aos melhores points, conta histórias sobre a região e conversa com os vendedores (coisa que dificilmente você vai fazer sozinho, já que os tailandeses falam inglês bem mal)Você vai comer em lugares como o Prachak Pet Yang, famoso por servir o melhor pato assado da cidade.

SUBIR NUM BAR ROOFTOP

Um bom jeito de atinar a imensidão urbana de Bangkok é vê-la do alto: a capital tailandesa é possivelmente a cidade com maior número de bares em terraços nas alturas no mundo (a maioria dentro de hotéis). Dito um dos melhores, o Sky Bar Rooftop do Hotel Lebuaque apareceu no filme Se Beber Não Case 2 fica no 63º andar(!). O lugar enche, então o melhor é chegar um pouco antes das 18h pra pegar uma mesa (e assistir ao pôr do sol). Para compartilhar a vista com menos gente, melhor ir ao bar 360 do hotel Millennium Hilton, com uma vista linda de frente para o rio do espaço ao ar livre e da cúpula envidraçada. Ligue para reservar ou chegue às 17h em ponto, a hora que abre, e de quebra pegue o pôr do sol.

360-rooftop-bar-bangkok

DAR UMA PASSADINHA NUM DOS SHOPPINGS DESCOMUNAIS

O que fazer em Bangkok: até uma ida prosaica ao shopping pode ter uma dose de exotismo em Bangkok. Enormes, estão concentrados ao redor das estações do BTS Sky Train. O MBK (aberto diariamente, 10h/22h) é um monstruoso prédio de seis andares onde há basicamente tudo: desde as mesmas calças com estampas de elefante vendidas pelos camelôs até produtos de farmácia, câmeras fotográficas, roupas de marcas bacanas locais. Como se não bastasse o espaço dedicado às lojas, há barracas montadas transformando o espaço interno do shopping em mais uma feira. A praça de alimentação é ótima, com estandes enfileirados com um pratos típicos e descrições inteligíveis em inglês. Reaberto em 2016, o shopping Siam Discovery (aberto diariamente, 10h/22h) tem design arrojado pensado por uma empresa japonesa e tem andares temáticos cheios de butiques diferentonas, além da filial de Bangkok do restaurante Jamie’s Italian. O Terminal 21 (diariamente, 10h/22h) é outro shopping prático na saída da estação Asok do BTS, com lojas conhecidas da gente como H&M.

FUGIR NO CAOS URBANO EM BANG KACHAO

O que fazer em Bangkok: chamado de pulmão de Bangkok, Bang Kachao é uma ilha artificial de 16 m² formada por uma curva do Chao Phraya e um canal. Espécie de oásis urbano, com cara de um vilarejo rural, ele tem estradas e trilhas onde os locais vão andar de bicicleta nos fins de semana. Vá até a estação de BTS Bang Na num sábado ou domingo e pegue um táxi até o Bang Na Pier. Atravesse o rio de barquinho e, na saída, alugue uma bike por 50 baht o dia. Dali, visite o Bang Nam Phueng Floating Market (que não é lá muito flutuante, mas fica na beira de um canal), com comidinhas, tralhas e crianças brincando em parquinhos e alimentando cabras e porquinhos. Depois, siga até o parque Sri Nakhon Khuean Khan Park, um bonito parque também com trilhas pra bike, gramadões e laguinhos.

Bang-Kachao-parque

FAZER UM BATE-VOLTA A AYUTTHAYA

Fundada em 1350 na confluência de três rios, Ayutthaya foi a segunda capital do Reino de Sião (antigo nome da Tailândia), depois de Sukhothai e antes de Bangkok, e tornou-se um grande centro de diplomacia e comércio na Ásia. A cidade foi invadida pelo exército birmanês (do atual Myanmar) em 1767, que a incendiou por completo e forçou os habitantes a abandoná-la. O que você vê hoje por lá são as ruínas de templos e palácios que restaram dos tempos de glória. Normalmente não indico pegar tours na Tailândia, mas acho o de Ayutthaya prático: custa 500 bath e te leva a todos os principais atrativos, que ficam espalhados, e para almoçar. Se quiser ir por conta, pegue um ônibus ou trem e veja nosso guia completo de Ayutthaya.

ayuthata-tailandia

A autora

Betina Neves

Betina Neves

Editora do Carpe Mundi, viaja pra trabalhar e trabalha pra viajar. É jornalista freelancer e já escreveu pra Viagem e Turismo, ELLE, Claudia, Vamos LATAM, Superinteressante, Cosmopolitan, VEJA São Paulo, Folha de S. Paulo, entre outras publicações.


Instagram

Há 37 comentários para “O que fazer em Bangkok: os 20 programas imperdíveis

    1. Oi Nini! Em um mês dá pra fazer bastante coisa sim, mas você vai embora com vontade de voltar 🙂 Dá pra fazer Bangkok (com um bate e volta a Ayutthaya), Chiang Mai, Luang Prabang, Hanoi com Halong Bay, Hoi An, Ho Chi Minh, Phnom Phen, Siam Reap e alguma ilha da Tailândia (logo mais vou colocar um guia completo aqui, fica ligada). O melhor é ir de dezembro a abril, a época seca. Julho é bem no meio das monções (muita chuva!).

  1. adorei os seus post´s quero fazer tudo porém só vou ficar 3 dias em Bangkok, quero muito fazer uma tattoo igual a sua ficou incrível !!!! foi o melhor post sobre a cidade que eu vi ! parabéns

  2. Estou indo agora em abril! Muito bom ler as alternativas aos passeios manjados pra turista ver! Obrigado por condensar tudo aqui, será de muita valia!

  3. Estou indo agora em abril! Muito bom ler as alternativas aos passeios manjados pra turista ver! Obrigado por condensar tudo aqui, será de muita valia!

  4. Betina, parabéns!!!
    Suas dicas são fantásticas!
    Muitos detalhes e, ao mesmo tempo, há objetividade… Adorei!
    Vou à Tailândia e a Cingapura no final do ano e já estou anotando tudo!
    Grande abraço!

  5. Muito bom seu site!!! Obrigada por todas as dicas! Gostaria de saber se vale a pena ir em junho ou se chove demais nessa época. Obrigada pela atenção

  6. Adorei só tudo. Sou uma velhinha sapeca que adora viajar. Decidi que a viagem de 2016 seria para Bangkok, Singapura fechando com chave de ouro em Dubai. Adorei as dicas, vou em novembro, tenho lido muito sobre a Tailandia mas até hj as melhores dicas foram as suas, inclusive vou aumentar o número de dias pra Bangkok e diminuir em Singapura. Obrigada pelas dicas. Algo sobre Singapura???

  7. Betina, adorei suas dicas! Vou com minha irmã em fevereiro. A idéia inicial será Tailandia e Vietnam, onde iremos ficar uns dias com meu sobrinho, head chef no Windsor. Precisamos de um roteirinho pra Tailandia… uns 10/15 dias …duas jovens de 59 e 64 anos, hehehe…. Você poderia dar umas dicas? Obrigada.

  8. Betina você arrasa!!!! sempre caio no seu blog quando estou pesquisando a Asia! já fui duas vezes, em temporadas de 50 dias e agora vou ter que ficar uns dias a mais em Bangkok a trabalho e adorei o post!!!!! continuarei seguindo e em breve terei o meu próprio blog! e o seu é uma inspiração!!! parabéns!prático e objetivo! como deve ser!

      1. Oi!! Também estou interessada em guias em português e/ou espanhol, não só em BKK e Chiang Mai, mas também em Chiang Rai e Siem Reap. Você teria indicações nestas duas cidades? Obrigada! Sara

  9. Parabens pelo blog. Tenho lido muito sobre a Tailandia e essa foi uma das leituras que mais aproveitei!
    Vou p Bankoc agora em novembro , ficarei hospedada na Sukmovit estou meio insegura com essa localizacao, Ficarei na soi eight. Qual sua impressao da regiao ?

    1. Oi Mariana! Essa região é ok, é a parte nova da cidade, perto dos shoppings e do BTS (o trem suspenso). Pra ir para o centro antigo você vai ter que pegar um metrô e depois um táxi (ou só um táxi, que é bem barato lá).

  10. Oie! Pra visitar o Sky Bar não precisa necessariamente fazer uma reserva de quarto né? Eu posso ir somente na cobertura onde está o bar?
    Amo seu blog! Super completo, bjs

    1. Oi Letícia!
      Não, é só aparecer no bar! Mas chegue beeem cedo porque lota, 18h é o ideal! Fico feliz que gosta de blog, passe por aqui sempre 🙂

  11. Olá Betina,
    já li e reli seus posts milhares de vezes, heheeh. Mas tenho uma dúvida.
    Com relação a dinheiro na Tailândia, li que muitos lugares cobram taxa pra pagamento em cartão.
    Qual seria a melhor proporção pra levar dinheiro em espécie, cartão pré pago, débito pra fazer saque??
    Pq agora todos os cartões tem o IOF a 6,8%, né?
    Fazer saque tem ainda mais duas taxas…
    Tô sem saber o que fazer…
    Nas ilhas também é fácil sacar dinheiro?

    Obrigada pela ajuda!
    =D

    1. Oi Anna Camila tudo bem? Então, o ideal é levar dólar em espécie (não sei quanto tempo vai durar sua viagem, mas eu levei uns US$ 500), cartão de débito pra sacar lá e cartão de crédito pra emergências. Eu não uso mais cartão pré-pago; depois que começou a ter taxa de 6,38% não vale mais a pena. É bem fácil sacar dinheiro em todo lugar, e nas ilhas mais turísticas (Tao, Samui, Phangan, Phi Phi) tem caixa eletrônico sim.

  12. Betina, Parabéns pelo blog!
    Vou agora em Dezembro e tenho 23 dias… Estou montando o roteiro! Quantos dias acha interessante ficar em Bangkok?
    Bjus

  13. Olá, Betina!
    Primeiramente gostaria de elogiar seu super blog, estou há dias lendo todo o conteúdo postado nele e utilizando para meu mochilão, sabático, o qual iniciarei pela Tailândia. Sairei de GRU em 02/01/2018 pela Ethiopian Airlines, com conexão em Adis Abeba, e por fim, Bangkok. Pretendo ficar um mês na Tailândia, e depois farei os países vizinhos, como Camboja, Vietnã e Malásia. De lá, pretendo ir pro Sri Lanka, Índia (onde quero ficar uns 45 dias e visitar as principais cidades), depois Leste Europeu, na sequência o Marrocos (Marraquexe e Saara) e por fim Portugal. Bom, este é meu roteiro pré-definido, claro que ele poderá sofrer várias alterações ao longo da minha viagem. Pretendo fazer este mochilão em 7 meses. Em relação à Tailândia, gostaria de saber sobre questão de segurança no país, violência, etc. Pelo que pesquisei, vi que o índice de violência nestes países do sudeste asiático é baixo. Poderia me dizer mais sobre esta questão? Um grande abraço e parabéns novamente pelo blog!

  14. Oi Betina,
    Realmente muito bacana o blog.
    Eu chego na Tailandia dia 04 de janeiro e vou embora de volta para o Brasil dia 20 de janeiro com minha esposa e filhas (10/14 anos).
    Ja defini que fico em Bangkok pelo menos até o dia 09 de janeiro e tb vamos ficar em Phi Phi(hospedagem bacana) de 13 a 18 de janeiro.
    Assim temos de 09 a 13 de janeiro para decidir se vamos a Chiang Mai ou Siam Rep – ou ainda se é melhor esticar um pouco mais em BKK e ir passar 2 dias em Krabi. Ou outra sugestão !
    Não é facil agradar essas meninas ! Me ajuda!
    Marcelo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *