brasil


Ilhabela: praias de Castelhanos e Bonete, dois paraísos do litoral paulista

Pequenos tesouros de Ilhabela,

as praias de Castelhanos e do Bonete estão entre as mais bonitas de São Paulo, com faixas de areia preservadas e exclusivas, mares incrivelmente azuis e diversas trilhas e cachoeiras pra explorar. Ilhabela praias: leia mais sobre as duas aqui.

VEJA TAMBÉM: Como explorar Bonito, o melhor destino de ecoturismo do Brasil

Viagem de lua de mel: 36 destinos pra você conhecer a dois

9 dicas pra viajar de maneira mais ética e responsável com as pessoas e a natureza

ILHABELA PRAIAS

CASTELHANOS

O nome da maior praia de Ilhabela é uma alusão aos piratas da região espanhola de Castela,

que fizeram da Baía de Castelhanos seu esconderijo para saquear caravelas da coroa portuguesa sem serem previamente notados. Dizem por aí que o ouro nunca foi encontrado e segue oculto no Saco do Sombrio, na ponta direita da baía, mas a Praia de Castelhanos tem outras tantas fortunas visíveis aos olhos – e muito bem preservadas graças aos 22 km de trilha que ligam a faixa de areia ao restante da ilha.

PRAIACASTELHANOS

A estrada de terra do Parque Estadual de Ilhabela pode ser percorrida de 4×4 com a empresa Maembipe, desde R$ 70, ou a pé em até 6 horas de caminhada (é de graça, mas haja fôlego!). Também dá pra chegar na areia de Castelhanos sem pagar nada com o próprio carro, dentro do limite de 40 veículos por dia. Mas pense duas vezes: a estradinha não é mole para carros de passeio. Melhor ir com tour.

Ilhabela praias: chegando lá, use e abuse do repelente contra os borrachudos. Isso quer dizer deixar partes do corpo como os pés, brancas de tanta loção – não pense que no sol eles não atacam.

Comece o dia em Castelhanos fazendo a trilha até a Cachoeira do Gato e aproveite a água gelada pra lavar a alma. Ainda do lado esquerdo da praia, faça um passeio pela comunidade caiçara e veja as moradias de pau a pique, seguindo trilha até o Mirante do Pirata, que intimida quem avista a escadinha de aço saindo do chão até o cume de uma pedra enorme. Chegando no topo da rocha, o medo não tem mais espaço e a imensidão verde-azulada do leste da ilha é estonteante.

LEIA TAMBÉM: 10 ilhas incrivelmente fotogênicas que você precisa conhecer

Superlista: 38 pousadas românticas pra curtir o frio

54 dicas pra viajar com pouco dinheiro: a lista definitiva

De repente já é hora do almoço e o peixe do Quiosque do Alemão pede acompanhamento da caipifolha (R$ 15), a caipirinha de folhas de mexerica, especialidade da praia. Quase não sobra tempo para relaxar, mas não deixe de subir também no mirante ao lado direito da praia, apelidado de Mirante do Coração. A trilha é meio perrengue, inclinada e na mata fechada, mas não demora mais que dez minutos pra visão de coração no mar de Castelhanos aparecer e fazer valer o dia. Também é um point pra ver os surfistas pegando ondas.

quiosque-alemao-ilhabela

A partir das 16h30 os jipes começam a retornar a Ilhabela e o 3G reaparece aos poucos no visor do celular. Sorte mesmo tem a comunidade caiçara que acorda em Castelhanos todos os dias bem longe do sinal telefônico.

castelhanos

LEIA TAMBÉM: Manual prático pra viajar sozinho: por que e pra onde ir, as vantagens e perrengues

ILHABELA PRAIAS

BONETE

Um mundo que parece ter parado no tempo e não acompanhou a urbanização do resto da Ilhabela:

assim é o Bonete, um atestado de que paraísos praticamente intocados ainda estão vivos e não tão longe da capital. E aí mora o pró e o contra da praia, o acesso difícil. O que, por um lado, assegura a preservação e torna as areias do Bonete únicas, também é o grande desmotivador do passeio. Os caminhos são restritos: 12 km/quatro horas de trilha pelo Parque Estadual de Ilhabela entre sobes e desces desde Sepituba, última praia acessível de carro, ou uma hora de barco saindo do Perequê.

Quem está em forma não terá dificuldades em percorrer o bonito trajeto a pé, com três cachoeiras e uma visão invejável da baía do Bonete. Não percorra a trilha sem guia se você não for familiarizado com trekkings; apesar de bem sinalizada e gratuita, é uma rota de nível moderado a difícil. De barco, o adicional é a vista. A navegação fica chatinha quando a embarcação chega em alto mar, mas a costa de Ilhabela surge mais bonita do que nunca, dando oportunidades pra belas fotos. Quem vai a pé quase sempre volta de barco, por isso consulte a Maembipe pra agendar o passeio, que dependendo das condições do tempo, não acontece. Ida e volta de barco com guia saem por R$ 150 e o guia pra trilha, também R$ 150.

bonete-praia

É só pisar nas areias do Bonete pra entender sua fama mágica, imune ao agito do resto da ilha. Uma ronda pela comunidade local, com cerca de 300 felizes caiçaras que vivem da pesca e do turismo, pode ser seguida por um banho no gelado Poço Fundo e suas águas cristalinas, quase meio caminho até o Mirante da Barra, melhor ponto pra fotografar o Bonete. Lá em cima, veja o rancho das canoas do Rio Nema e aproveite para clicar também a praia vizinha, a das Anchovas.

Ilhabela praias: voltando do pico, vá até a ótima pousada de surf Canto Bravo (diárias desde R$ 191) para provar a casquinha de peixe (R$ 14) e a salada de lula ao molho de limão, manjericão e hortelã (R$ 28). Vai ser difícil resistir às redes do jardim após o rango, olhando as ondas rolarem com tudo no mar. Mas a exclusividade tem seu preço em alta temporada: o pacote de sete dias pode custar até R$ 3 mil por suíte no Ano Novo. Seja qual for a sua escolha, uma hora será o momento de retornar ao centro da ilha, e aí é bom ter um casaco para os 60 minutos a bordo do barco, quando o vento pode soprar friozinho.

LEIA TAMBÉM: 6 praias imperdíveis no Brasil pra ir neste verão

Veja ideias (óbvias e nem tanto) de como passar o tempo dentro do avião

Ano Novo no Caribe: vem escolher a sua praia

Como montar um blog de viagem: 10 passos essenciais

Sites confiáveis pra ler resenhas de hotéis além do Trip Advisor

canto-bravo

ILHABELA PRAIAS: CASTELHANOS E BONETE

E você, tem alguma dica? Deixe aqui nos comentários!

A autora

Anna Laura Wolff

Anna Laura Wolff

Jornalista por formação e fotógrafa por vocação, a editora do Carpe Mundi passou pelas redações da CARAS Online e da Viagem e Turismo. Depois de uma temporada em Paris, decidiu ser viajante full time.


Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *